Archive for 18 de Dezembro, 2009

DEU NO JORNAL IMPACTO

Manchete do jornal Impacto desta semana; ” UMA HERANÇA CABELUDA E BILIONÁRIA”. Registra o Impacto que o vice-Pessuti, vai herdar R$ 1 bilhão de reais em dívidas do Estado do Paraná.  Na capa uma nota revela que a esposa do prefeito Baka de Paranaguá, apoia o Beto Richa,  o que surpreeende,  pois o  seu esposo  Baka  apoia cegamente o Osmar Dias. É caso de família dividida ou é outra coisa ?  Outra matéria do repórter “piá”, analisa com  lógica a candidatura do Requião  para presidente pelo PMDB nacional,  e finaliza afirmando  que se o Requião viabilizar seu projeto,  o “piá”  vota nele.

DILMA DO PT RECUA PELA METADE

(foto do metrô pela metade).

A ministra Dilma do PT,  e o ministro Paulo Bernardo, estão recuando parcialmente de suas posições intransigentes para com os curitibanos,  do veto que impuseram  ao financiamento ao metrô de Curitiba.  Pessoalmente imprimimos um jornal  relatando  o veto  da Dilma ao  financiamento e fomos as ruas de Curitiba para conversar com a população sobre o fato. A indignação foi geral, o que provavelmente tirava intenção de voto da Dilma para a presidência da República.   Resultado.  Agora o ministro Paulo Bernardo, e a Dilma, recuaram de sua posição do veto total pelo veto parcial,  e estão articulando com o prefeito Beto Richa, a concessão  de metade  do financiamento ao metrô de Curitiba, no trajeto do terminal da CIC   só até o centro de Curitiba.  Foi um recuo pela metade, já que fica faltando o trajeto do metrô, do centro até o terminal de Santa Cândida.  Os ministros do Lula do PT, querem salvar suas imagens  junto aos cuitibanos,  nem que seja pela metade,.  Perdem os anéis,  e ficam os dedos.  Vamos aguardar para ver se pelo menos teremos um metrô pela metade em Curitiba.  Metrô pela metade dá direito a só metade de prestígio, ou menos,  dependendo da complementação.
Fonte/Imagem:http://stream.agenciabrasil.gov.br/media/imagens/2008/06/04/1305RP001.image_media_horizontal.jpg

http://itambe.midiaweb.com.br/massa-cinzenta/wp-content/uploads/2008/12/trem1.jpg
EM TEMPO:  PAULO BERNARDO DESCARRILOU O METRÔ. AGORA METRÔ, NEM PELA METADE.
A  reunião do prefeito Beto Richa, com o min. Paulo Bernardo do PT para decidirem sobre o financiamento de “metade do metrô” de Curitiba, deu chabú, pifou, e esfumaçou-se no ar.  Paulo Bernardo ofereceu  a grana de metade do metrô, se a Prefeitura pagar juros maiores do que o próprio Banco Federal do Lula o BNDES cobraria se  a Prefeitura pedisse grana emprestada neste Banco.   Bernardo só dá o financiamento com  grana de juros altos. Ora, porque  quer fazer isto com Curitiba ?  Porque os metrôs de outras capitais, a grana da parte do Governo Federal vai a “fundo perdido”, com custo zero, e porque só os curitibanos tem que devolver a grana e com juros ? Porque esta perseguição ?  É problema político partidário ?  Se o prefeito de Curitiba fosse do PT, o Samek, por exemplo, as regras seriam as mesmas do que o Paulo Bernardo está oferecendo ao Beto Richa ?
Duvido.  Se o prefeito de Curitiba fosse  do PT o metrô já estaria parcialmente  pronto nestes sete anos de gestão do Beto. Levantamento recente provou que os prefeitos do PT do Brasil levaram a maior parte da verba federal. Curitiba só levou chumbo e continua sendo ferrada, com mais esta. Vou continuar com a distribuição do jornal que conta a história do metrô de Curitiba, agora com mais este  triste capítulo.

SENADO FEDERAL FOI PRIVATIZADO

Quanto mais conhecemos os dados sobre o malfadado Senado Federal, mais acreditamos que Brasília é uma cidade do, “efeito contrário”, ou seja, foi uma cidade criada para fazer bem à Nação, mas  entretanto só tem causado o mal para o povo brasileiro, na maioria das vezes em que é questionada.  Hoje cedo ouvi o bom Boechat na rádio Band-News, dar um pito daqueles no malandrão do Sarney, por ter encerrado o ano dizendo que; ” Estamos terminando o ano frientemente bem, pois tomamos medidas duras…..e blá, blá blá…..”.  Em seguida Boechat revelou um dado do Senado Federal, de arrepiar os cabelos.  O Senado Federal tem 10 mil funcionário, pasmem 10 mil, para atender tão somente 80 senadores da República.  Isto dá mais  de 125 funcionários para cada senador, e recebem por isso altíssimos salários, sendo que alguns recebem mais de R$ 50 mil reais por mês.  É o fim do mundo. Como fazer distribuição de renda “neste País”, com essa Brasília recheada de privilégios inacreditáveis ? Não dá mais para continuar assim.  Esses senadores, cardeais da malandragem em Brasília tem que ser apeados do poder. Uma assepsia, uma higienização,  no Senado Federal é urgente.

Fonte/Imagem:http://www.diaadia.pr.gov.br/tvpendrive/arquivos/File/imagens/4portugues/5angeli_coisapublica.jpg

MAUS POLÍTICOS ESQUECEM MANDAGUARI

Na última  terça-feira estive em Mandaguari, norte do Paraná, e  fiquei surpreso quando o asfalto da rodovia entrou direto no centro dessa importante  cidade.  Fiz uma visita na loja de cosméticos da Sra.  Maria Aparecida Craco, a qual reclamou muito desta situação inusitada de Mandaguri, onde caminhões com carretas pesadas passam na rua central de comércio, fazendo um barulho infernal e jogando pó negro do asfalto e poluição do escapamento do óleo diesel dentro da lojas e do comércio em geral de Mandaguari.  Poluem todo o centro de Mandaguari.

É o fim da picada. Uma omissão descarada dos prefeitos que passaram, e principalmente dos últimos governadores e demais deputados da Região.  Todos omissos ?  É inconcebível que uma cidade do porte de Mandaguari ainda passe por esta tortura maluca.  Quais os interesses que impedem que se faça um contorno na rodovia à Mandaguari ?  Quem está jogando contra esta obra importante para esse povo sofrido? A Sra. Luzia Paulino e  o Sr. Devanir Paulino, também presentes  no momento,  reclamaram contra esta situação humilhante de todos os comerciantes da principal avenida da Cidade.. Faltou decisão política corajosa, para romper com os  altos interesses (se existem), que não podem  ser maiores do que o  o interesse legítimo dos comerciantes e de toda a população de Mandaguari.   Isto é inaceitável.  Até quando vai esta humilhação, Requião ?