CORRUPÇÃO GLOBALIZADA PODERÁ SER CRIME INTERNACIONAL

A PROPOSTA É  DE JUIZ ESPANHOL.  A corrupção há décadas ganhou espaço para o cometimento de crime internacional, ou global, na medida em que determinados países como a Suiça, ganham fortunas com o dinheiro sujo, principalmente  do  terceiro mundo (os mais pobres), ao abrigar e proteger contas  secretas,  que acobertam a grana da corrupção de políticos (a exemplo do Maluf), e da bandidagem. 

A CORRUPÇÃO É DEBATE NA ONU.  Agora , há uma preocupação geral das Nações Unidas em torno do tema corrupção, já que  que no mundo  a grana da corrupção á calculada em mais de UM  TRILHÃO  DE DÓLARES..  Só neste “brazilzão” de meu Deus, segundo a ONU- PNUD, a corrupção garfa de nós os trouxas uns  DUZENTOS  BILHÕES  DE  REAIS  POR ANO.

A PROPOSTA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DO CRIME CORRUPÇÃO. Como a ONU está promovendo debates sobre este grave tema, a corrupção, surgiu esta proposta (última instância), a qual  pretende mobilizar os governos do mundo, para que apertem o cerco contra a corrupção.  Vejam os detalhes da notícia:

Juiz espanhol defende que corrupção seja tratada como crime internacional

”  O juiz espanhol Baltasar Garzón, conhecido por ter expedido mandado de prisão contra o ex-presidente chileno Augusto Pinochet, disse neste sábado (10/11) que a corrupção e a impunidade são questões diretamente relacionadas, que se retroalimentam e viabilizam a execução de crimes contra a humanidade. Garzón ainda defendeu que a corrupção seja tratada como crime internacional pelo TPI (Tribunal Penal Internacional) e que a cooperação judicial entre os países seja mais efetiva, sem a possibilidade de negação de execução judicial por questões políticas – o que, segundo ele, contribui para que atividades corruptas fiquem impunes.

O juiz espanhol participou de debate sobre o papel da sociedade no combate à corrupção na 15ª Conferência Internacional Anticorrupção. A participação do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Carlos Ayres Britto, estava prevista, mas foi cancelada. No final do dia, o ministro chefe da CGU (Controladoria-Geral da União), Jorge Hage, deverá encerrar a conferência, que aprovará uma declaração sobre o tema.

De acordo com o juiz Garzón, durante muitos anos, impunidade e corrupção foram temas tratados de forma dissociada. Investigações conduzidas mundialmente, no entanto, mostram que o aproveitamento econômico e a obtenção de fundos viabilizados pela corrupção financiam crimes contra a humanidade, crimes de guerra e genocídio – os três crimes tipificados pelo Estatuto de Roma, que criou o Tribunal Penal Internacional, em 2002, a única corte internacional que tem competência para julgar e condenar pessoas por essas violações. Por outro lado, a comunicação entre as instâncias internacionais e os tribunais nacionais não é eficiente, o que dificulta as investigações e a aplicação de penas.  ”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: