Archive for 15 de Agosto, 2013

A PRAGA DA DESGRAÇA DA TERCEIRIZAÇÃO NO PAÍS….MAIS UM GOLPE NO PARANÁ ?

A PRAGA DA TERCEEIRIZAÇÃO SUGA RECURSOS DO ESTADO.  A merda da moda da terceirização, acaba dando mais prejuizo ao Estado do que benefício  de menores custos em qualquer operração.  Querem saber por quê ?

AS CAUAS DOS PREJUIZOS.   Toda vez que o Estado contrata uma empresa para prestar qualquer serviço público, o Estado, como contratante fica vinculado  nas obrigações sociais aos trabalhadores da porcaria da TERCEIRIZADA, quanto as obrigações sociais quer sejam do INSS, FGTS, PIS, ETC.ETC.  Ou seja, se a desgraçada ada tercceirizada não paga, o Estado fica co-obbrigado na conta.

UM EXEMPLO COM PREJUIZO DE MILHÕES.  Um exemplo ícone ocorreu com  a Prefeitura de Curitiba e a empresa TERPA LIPATER, que foi encnarregada durante anos da coleta de lixo da Capital.  RESULTADO……..a TERPA LIPATER, FALIU, e não pagou  suas obrigações socias, deixando uma dívida de milhões para a Prefeitura de Curitiba, a qual  até hoje está pagando as indenizações trabalhistas  do trabalhadores desta empresa “fajutada”, gerando mihões de prejuizo aos contribuintes de Curitiba.

TEREMOS OUTRO EXEMPLO ?  Agora parece que chegou a vez do TRE – TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ,  o qual está divulgando que cancelou o contrato com a empresa  ADMINAS, encarregada do recadastramento dos eleiores do Paraná, pela falta de cumpprimento de obrigações sociais desta empresa.  Vejam o que recebi via internete sobre este assunto:


”  O   Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR) rompeu com a empresa responsável  pelos funcionários contratados para realização do recadastramento
biométrico em Londrina. O contrato com a ADMINAS, especializada no  segmento de terceirização de mão de obra, foi quebrado após reiterados
descum primentos contratuais, como: não pagamento dos salários dos  funcionários terceirizados, encargos sociais e benefícios dos  recepcionistas e supervisores.

De acordo com o chefe do  cartório da 146ª Zona Eleitoral, William Gallera Garcia, em junho a  empresa já tinha atrasado o pagamento dos funcionários. Foi necessária a intervenção do TRE para que a empresa efetuasse o depósito.

“O atraso gerou descontentamento e transtornos. Houve uma pequena paralisação e a empresa foi notificada”.

Em   julho, novamente a ADMINAS não depositou o pagamento no dia certo.   Assim, o TRE decidiu romper com a empresa. Em reunião no MPT, foi
estabelecido que o Tribunal então realizaria o pagamento dos salários e  benefícios dos funcionários.

“O TRE fez a rescisão  unilateral do contrato e foi até o Ministério Público do Trabalho. Foi  feito um acordo com o sindicato e o TRE assumiu o pagamento aos  funcionários. A empresa que ficou em segundo no pregão foi convocada para assumir o serviço”.

O rompimento com a ADMINAS foi feito na última quinta-feira (8/8). Um novo contrato foi feito com a RH Nossa, de Curitiba.

Garcia  esclareceu que todos os funcionários foram demitidos e recontratados em seguida. Apenas alguns decidiriam fazer a rescisão. Conforme o chefe do  cartório, o seviço está com um déficit de dez funcionários.

“Esse tipo de problema gera atraso no atendimento. Ainda durante a semana o serviço volta ao normal”

O presidente do SINEEPRES – Sindicato dos Empregados em Empresas de  Prestação de Serviços a Terceiros do PR, Paulo Rossi, comentou a decisão
do TRE-PR. “Infelizmente nós já tínhamos denunciado essa empresa  (ADMINAS), por falta de cumprimento das cláusulas trabalhistas em nosso
estado. Mas mesmo assim a comissão de licitação do TRE-PR não havia  acatado nossa denúncia. A prova está aí, dessa empresa que vem lá de
Minas Gerais e se acha no   direito de enganar os trabalhadores. Por isso e outros tantos motivos é  que defendemos a regulamentação  terceirização, com regras  específicas para a contratação de serviços, pois do jeito que aconteceu é  precarização pura”, disse Rossi.