Archive for 25 de Agosto, 2013

REVISTA “ISTO É”… DENUNCIA DE NOVO O QUE NÃO DEVIA SER……MAS….FOI….

REVISTA ISTO É FAZ NOVAS REVELAÇÕES DA CORRUPÇÃO DO  “METRÔ PSDB  “….. PAULISTANO.

PSDB PAULISTA ENTERROU-SE JUNTO COM O METRÔ PAULISTANO. ?  É bem possível que a a recuperação dos pontos em pesquisa desta semana da DILMA (PT), de 31 para 38 pontos, se deva ao fato das denúncias contra a cúpula do PSDB de São Paulo, sede principal deste partido e de seus caciques, cujas denúncias se referem a propinas dadas pelas mega empresas que construiram e constroem do metrô de São Paulo.  

PSDB NÃO DECOLA PARA A PRESIDÊNCIA.  Os nomes prováveis dos candidatos a presidente da República, de AÉCIO NEVES e de JOSÉ SERRA, até agora não decolaram e dificilmente vão decolar, com estas denúncias de corrupção do metrô de São Paulo.  As pesquisas indicam  que o eleitor está em busca de nomes alternativos tipo terceira via, pois a DILMA (PT) também está em queda, e a MARINA  (REDE) e o governador de Pernambuco EDUARDO CAMPOS (PSB), surgem como novidades desta terceira via.  As  cúpulas  do PSDB paulista e mineiro, deviam testar o nome do senador  ALVARO DIAS (PSDB – Paraná), com candidato alternativo, pois hoje poderia ser o nome mais forte  do PSDB pelas suas posições no Congresso Nacional.

AS DENÚNCIAS. A revista Isto É,  desta semana revela dados e fatos concretos que colocam a cúpula do PSDB de São Paulo em papos de aranha, desde o ex-ícone da Constituição de 1988, o ex-governador MARIO COVAS, e os ex-governadores JOSÉ SERRA e ALCKMIN (atual),  embora, entretanto, todavia,  seus nomes não estejam diretamente ligados aos fatos de corrupção, porém os  seus auxiliares da mais alta confiança que exerceram altos cargos e a chefia da Casa Civil, estão  atolados até o pescoço nestas denúncias que devem prejudicar o candidato a presidente do PSDB que deve ser o AÉCIO NEVES.  É uma espécie de “baton na cueca” por tabela. Foi na base de um “pá daqui e pá de lá”.

A GRANA ENVOLVIDA.  Segundo a revista ISTO É,  o valor total de propinas “doadas” pela empresa  SIEMENS  e outras, giram em torno de R$ 577 MILHÕES DE REAIS.

DETALHES DA DENÚNCIA DA “ISTO É”.  Vejam abaixo os trechos mais importantes desta reportagem:

O esquema que saiu dos trilhos

Um propinoduto criado para desviar milhões das obras do Metrô e dos trens metropolitanos foi montado durante os governos do PSDB em São Paulo. Lobistas e autoridades ligadas aos tucanos operavam por meio de empresas de fachada

Alan Rodrigues, Pedro Marcondes de Moura e Sérgio Pardellas
” – Ao assinar um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a multinacional alemã Siemens lançou luz sobre um milionário propinoduto mantido há quase 20 anos por sucessivos governos do PSDB em São Paulo para desviar dinheiro das obras do Metrô e dos trens metropolitanos.
–  Em troca de imunidade civil e criminal para si e seus executivos, a empresa revelou como ela e outras companhias se articularam na formação de cartéis para avançar sobre licitações públicas na área de transporte sobre trilhos. Para vencerem concorrências, com preços superfaturados, para manutenção, aquisição de trens, construção de linhas férreas e metrôs durante os governos tucanos em São Paulo – confessaram os executivos da multinacional alemã –, os empresários manipularam licitações e corromperam políticos e autoridades ligadas ao PSDB e servidores públicos de alto escalão.
–  O Ministério Público da Suíça identificou pagamentos a personagens relacionados ao PSDB realizados pela francesa Alstom – que compete com a Siemens na área de maquinários de transporte e energia – em contrapartida a contratos obtidos. Somente o MP de São Paulo abriu 15 inquéritos sobre o tema. Agora, diante deste novo fato, é possível detalhar como age esta rede criminosa com conexões em paraísos fiscais e que teria drenado, pelo menos, US$ 50 milhões do erário paulista para abastecer o propinoduto tucano, segundo as investigações concluídas na Europa…………………………………….
………………………………………-  O encarregado de receber o dinheiro da propina em mãos e repassar às autoridades era Lavorente. “O mesmo dizia que (os valores) eram repassados integralmente a políticos do PSDB” de São Paulo e a partidos aliados. O modelo de operação feito pela Siemens por meio da MGE Transportes se repetiu com outra empresa, a japonesa Mitsui, segundo relato do funcionário da Siemens. Procurados por ISTOÉ, Moriyama, Freyze, Tambelli, Lavorente e Scaglioni não foram encontrados. A MGE, por sua vez, se nega a comentar as denúncias e disse que está colaborando com as investigações.”…………………………………….

IEpag44a49_Tucanos__ok-4.jpg
SUSPEITOS
Segundo o ex-funcionário da Siemens, Ronaldo Moriyama (foto menor),
diretor da MGE, e Décio Tambelli, ex-diretor do Metrô, integravam o esquema