Archive for Novembro, 2014

PASSAGEM AÉREA MAIS BARATA PARA IDOSOS ACIMA DE 60 ANOS…..AGORA É LEI….DESCONTO DE ATÉ 50 %…..

REGISTREM E REPASSEM ESTA IMPORTANTE INFORMAÇÃO.  Recebi do amigo Gilson de mello Sanots, via e mail, esta importante informação que favorece os idosos acima de 60 anos…….

McDonnell Douglas MD-11 entre os maiores avioes de passageiros do mundo

Passagens Aéreas Com Desconto Para Idosos

Passagens Aéreas Com Desconto Para Idosos

Assim fica mais fácil!!!!!!

Firmado por lei, os idosos possuem o direito de ter descontos em passagens aéreas, sendo que essa lei obriga as empresas aéreas a conceder o desconto de aproximadamente 50% nas passagens aéreas vendidas para pessoas maiores de 60 anos, foram exigidas que cerca de 5% das vagas em cada voo sejam cedidas para tal benefício, sendo que para obter esse desconto é necessário adquirir a passagem com 72 horas de antecedência, confiram nossa matéria completa para obter maiores informações sobre os descontos de passagens aéreas para idosos.

Diversas empresas aéreas não comunicam aos seus passageiros sobre a utilização desses tipos de descontos nas passagens para idosos baratas, sendo que os preços de passagens já estão mais acessíveis para todos os interessados que pretendem viajar de avião, sendo que mesmo com a passagem aérea mais acessível o idoso ainda possui o direito de pedir o seu desconto, como está previsto em lei.

É importante entrar em contato com empresas aéreas para comunicar o interesse em adquirir passagens  para idosos com desconto, sendo que a empresa deverá abrir a exceção e vender a passagem para o consumidor com os devidos descontos, o prazo de 72 horas é pedido para que seja lançado no sistema das empresas aéreas os descontos adequados, sendo que esse processo demoraria muito para ser feito no dia do voo.

Vale lembrar que todos os interessados em adquirir passagens com desconto para idosos, terão de mostrar seus documentos que afirmam que o cidadão possui  idade maior que 60 anos para que possa ter esse desconto, seja na própria empresa aérea ou então nas agências de viagens,

por isso, você que é idoso e está lendo essa matéria, ou para você que conhece algum idoso, não deixe de repassar a mensagem para que os idosos tenham seus benefícios previstos em lei, para que possam ter uma melhor comodidade e economia em suas viagens aéreas.

LIVRO “BOCA MALDITA DE CURITIBA”….CONTINUA À VENDA…..

LIVRO “BOCA MALDITA DE CURITIBA”….VEJA ONDE E COMO COMPRAR…..

ATENÇÃO INTERESSADOS NA COMPRA DO LIVRO BOCA MALDITA DE CURITIBA….. Vejam como comprar este livro que retrata parte da história contemporânea de Curitiba, através dos fenômenos sociais que ocorrem neste maior reduto da democracia do país….A BOCA MALDITA DE CURITIBA….

LIVRO “BOCA MALDITA DE CURITIBA” CONTINUA À VENDA….

COMO COMPRAR O LIVRO “BOCA MALDITA DE CURITIBA” ?  Este livro de nossa autoria, que conta a história da Boca Maldita de Curitiba, está à venda nos seguintes locais; pela internet  com pedido via e mail, para o autor: lintomass@bol.com.br (para detalhes de depósito antecipado via banco), No Café Avenida (café da Boca Maldita) e na Banca de revistas da Boca ao lado do Café,  ambos no centro de Curitiba perto do Bondinho, e ainda na Livraria do Chain ao lado da Reitoria da Universidade Federal do Paraná

O LIVRO.  O lançamento foi feito no dia 30/11/13 em frente ao Café da Boca Maldita, no estilo da Boca numa “muvuca” total….

Este é outro flagrante típico e comum da Boca maldita.  Nesta foto o mais conhecido é o Ratinho ..

 

livro boca 2

Levei quase sete anos para escrever 370 páginas que registram os diversos fenômenos sociais que transitam em Curitiba, via Boca Maldita, e que depois, afloram nas páginas do jornais e nas telas das Tvs do país…..Outros fatos por serem impublicáveis……morrem na Boca.
-Entrevistamos e fotografamos uns 300 frequentadores da Boca, desde o Lerner, ao Requião, do “Zé da Biblia” aos engraxates.  

-Fatos pitorescos e cabeludos que envolveram grandes organizações,  são relatados neste livro, onde tentamos também desvendar o segredo do comportamento deste brasileiro diferente….o curitibano…..ou “curitiboca ? “

livro boca 1

Esta é a capa do livro “BOCA MALDITA DE CURITIBA –  REDUTO DA DEMOCRACIA” , com um flagrante costumeiro de todos os sábados na Boca Maldita de Curitiba.  Esta é a cena comum que desperta a curiosidade de todos os curitibanos e dos turistas que visitam o Café Avenida (Café da Boca), e lá ficam a admirar essa gente que fala….fala….e fofocam.

livro boca 3

Este é o símbolo da Boca Maldita de Curitiba, talhado em granito pelo escultor Elvo Benito Damo, projeto do arquiteto Abrão Assad.

CORRUPÇÃO AFLORA EM OUTROS SETORES NO PAÍS…….É EPIDÊMICA…AGORA FOI NO “PRÉ SAL” DA DUPLA LULA / DILMA PT….

CORRUPÇÃO NO PAÍS VIROU EPIDEMIA.  Esta li no site do colega J. Agostinho….repico rápido, pois a a matéria é longa….Confiram…..

ISTOÉ – Claudio Dantas Sequeira (claudiodantas@istoe.com.br)

 Ex-gerente da Petrobras reproduziu na empresa Sete Brasil, criada para coordenar a construção de navios-sonda para águas profundas, o mesmo esquema de desvio de dinheiro montado na estatal

”  Delegados e procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato suspeitam que Pedro Barusco, ex-gerente-executivo da área de Serviços da Petrobras, comandada pelo diretor Renato Duque, tenha levado o megaesquema de corrupção que drenou recursos da estatal para dentro da companhia Sete Brasil.

A empresa foi criada em 2011 com a missão de gerenciar a construção e o fretamento para a Petrobras de 29 navios-sonda para águas ultraprofundas.

A PF descobriu que Barusco, como diretor de Operações da Sete Brasil, intermediou os contratos da empresa com estaleiros, empreiteiras e agentes financeiros nacionais e internacionais.

Réu confesso no inquérito da Lava Jato, em que admitiu ter embolsado R$ 250 milhões em propinas, Barusco comandou a estruturação de offshores da Sete Brasil na Holanda, pelas quais circularam nos últimos três anos quase US$ 7 bilhões – cerca de R$ 18 bilhões.

abre.jpg

Para a PF, Barusco trocou a Petrobras pela Sete Brasil com uma missão clara: montar um novo esquema de propina, exclusivo do PT e sem a participação de doleiros.

PP e PMDB até se queixaram quando a companhia venceu sozinha a concorrência, mas o executivo os desdenhou. Passou o chapéu junto à Petrobras, fundos de pensão e bancos privados.

Colocou o dinheiro num fundo de investimentos e abriu 29 offshores em Amsterdã, uma para cada navio-sonda.

Batizadas com nomes de praias famosas, como Copacabana e Ipanema, as empresas estão sediadas em endereços virtuais e não possuem funcionários. Servem apenas para escoar os dólares.

E aí começam os problemas. Com esse esquema, o dinheiro para pagar materiais e serviços, por exemplo, não caía direto na conta dos fornecedores.

Ele saía da Petrobras, dos bancos e dos fundos de pensão e passava primeiro nas contas das offshores, dificultando o controle de órgãos como o COAF e o Banco Central.

Até 30 de setembro, a Sete Brasil já havia desembolsado US$ 6,5 bilhões para o pagamento dos estaleiros, quase todos formados por empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato, como Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e Engevix. As obras, porém, caminham lentas. 

PRESAL-02-IE-2349.jpg
O OPERADOR
Abalado por uma doença grave, Pedro Barusco é temido pelo governo 

A empresa alega que 16 sondas já começaram a ser construídas e que cumpriu 23% da execução dos contratos. Mas não há como ter certeza disso.

No Estaleiro Atlântico Sul, por exemplo, as obras estão paralisadas por falta de um parceiro tecnológico. Segundo um dirigente ligado ao negócio, a coreana Samsung e a japonesa Mitsui desistiram da empreitada porque o “pedágio” cobrado era alto demais.

Os chineses estão sendo sondados para assumir a responsabilidade. Oficialmente, ninguém comenta o caso.

Integrantes da força-tarefa da Lava Jato suspeitam que para o pagamento de propinas a Barusco e seus parceiros a Sete Brasil usou como cobertura legal a contratação de serviços de “supervisão e gerenciamento” das obras, um modelo similar ao utilizado pelo doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.

No relatório da operação Juízo Final, que prendeu Duque e os empreiteiros, o juiz Sérgio Moro destacou como principais elementos probatórios as notas fiscais frias e contratos de prestação de serviços forjados.

IEpag52e53Presal-2.jpg

Youssef, por exemplo, firmou com o Consórcio Ipojuca Interligações (IESA) um contrato de “gerenciamento da implantação do canteiro de obras” da Refinaria de Abreu e Lima.

Costa combinou com a Engevix o pagamento de propina por meio de contrato de “gestão empresarial”. No caso da Sete Brasil, os contratos de gerenciamento ganharam um nome pomposo em inglês: “Construction Management Agreement (CMA)”.

Na descrição do serviço a ser prestado, a empresa diz que a finalidade é “o acompanhamento dos contratos de EPC”. Os contratados deveriam monitorar as obras nos estaleiros no Brasil. 

Ocorre que o pagamento por esses serviços também foi feito lá fora. Ao todo, a empresa já desembolsou com os contratos de CMA US$ 181 milhões, ou R$ 462 milhões, quase o dobro do valor de propinas que Barusco prometeu repatriar.

Até a entrega dos 29 navios-sonda, a Sete Brasil pretende gastar US$ 828 milhões para supervisionar a construção – o valor equivale a 3,7% do total das sondas, percentual parecido ao das propinas da Petrobras. 

A PF ainda não tem provas de que esses contratos foram fraudados. Primeiro, ela quer ouvir Barusco sobre o caso. E se necessário solicitar à empresa cópia dos contratos e das notas fiscais.

IEpag52e53Presal-3.jpg

“Como as obras estão atrasadas, há um forte indício de que os serviços de supervisão citados não foram prestados de forma adequada ou simplesmente não foram executados”, avalia um integrante da força-tarefa.

Barusco, que sofre de um câncer agressivo, tem deixado o governo preocupadíssimo com suas revelações. A força-tarefa já tem em mãos cópia de uma auditoria realizada pela PricewaterhouseCoopers, que encontrou um rombo de R$ 10,9 bilhões nas contas da Sete Brasil.

Situação que, segundo os auditores, indica uma “incerteza material que pode suscitar dúvidas significativas sobre a continuidade operacional da companhia”. 

A Sete Brasil se defende. Garante que tem cumprido a lei, desconhece qualquer prática ilícita de Barusco na empresa e trabalha para cobrir os compromissos de curto prazo.

Chegou a recorrer a empréstimos internacionais e aguarda ansiosa a liberação de um total de R$ 10 bilhões já aprovados pelo BNDES e pelo Fundo da Marinha Mercante.

MULHERES DO AFEGANISTÃO SE VINGAM DA OPRESSÃO DO TALIBÃN

MULHERES  PERSEGUIDAS ENFRENTAM RADICAL TALIBÃN.  Esta notícia corre o mundo, dado se tratar de um fato novo no Afeganistão, pela reação das mulheres que se revoltam contra a opressão dominadora e absoluta da linha ideológica do domínio  talibãn.  A matéria está no site Terra de 27/11/14…Confiram esta…..

Oriente Médio
27 de novembro de 2014 • 11h51
Afegã vinga morte de filho e mata 25 militantes do Talibã
“Eu não pude me conter e peguei em uma arma pela primeira vez. Fui ao posto de controle e comecei a atirar”, disse Reza, mãe de um jovem morto em Fatah
Mãe do jovem morto (de preto) é vista ao lado de sua filha mais velha, Seema
Foto: Khaama.com / Reprodução

”  A morte de um jovem que foi baleado por militantes do Talibã no Afeganistão gerou um sentimento de revolta em sua família e, consequentemente, de vingança. Com isso, a mãe do menino decidiu pegar em uma arma de fogo e matou 25 militantes do movimento. As informações são do Daily Mail.

Segundo a publicação, Reza Gul diz que se sentiu impotente quando um grupo de militantes invadiu a pequena aldeia em que ela morava com a família, na cidade de Farah. Na ocasião, seu filho foi morto a tiros, sem nenhuma justificativa.
Soldado americano é salvo por capacete de tiro de TalebanClique no link para iniciar o vídeo
Soldado americano é salvo por capacete de tiro de Taleban

Como vingança, ela se uniu a suas outras duas filhas e decidiram travar uma batalha contra o Talibã. Assim, ela liderou um movimento que cresceu e uma batalha que durou sete horas.

Ao todo, 25 militantes do Talibã morreram e outros cinco ficaram feridos. “Eu não pude me conter e peguei em uma arma pela primeira vez. Fui ao posto de controle e comecei a atirar”, disse Reza.

“Chegamos ao campo de batalha com luzes e armas pesadas. Estávamos empenhadas em lutar até a última bala, pela morte do meu irmão”, disse Seema, irmã do jovem morto”.

O Talibã não se manifestou sobre o ataque e o governo do Afeganistão trata o caso como uma revolta popular. Depois que os EUA retiraram suas tropas do país, os ataques do Talibã e de outros grupos insurgentes são cada vez mais frequentes.

BOCA MALDITA DE CURITIBA COMEMORA 58 ANOS DE EXISTÊNCIA DEMOCRÁTICA DIA 13/12/2014….E CONSAGRA NOVOS CAVALHEIROS DA BOCA …..

Personalidades homenageadas….

Além de outras personalidades de destaque no cenário do Paraná  e do país, serão homenageados com a comenda de “cavalheiro da Boca maldita de Curitiba”, por nossa indicação, dia 13 de dezembro do corrente  estas duas personalidades:

-DEPUTADO FEDERAL  (PC do B) PROTÓGENES QUEIROZ, o qual se destacou no país como delegado da Polícia Federal, por ter comandado a “Operação Satiagraha” que envolveu o poderoso  banqueiro  Daniel Dantas, que inclusive chegou a ser preso. A opinião pública ficou a favor do delegado PROTÓGENES.  Decisão recente do STF acabou condenado PROTÓGENES, apesar de sua contribuição contra os desmandos e corrupção que assolam o país…..

Delegado da Polícia Federal e dep. federal Protógenes Queiroz.

E ADVOGADO JOEL DOS SANTOS FILHO, RECEBEM COMENDA DE CAVALHEIROS DA BOCA MALDITA DE CURITIBA.

 

Advogado Joel dos Santos Filho.

O JOEL, é um advogado de Curitiba, Esteve radicado em Brasília onde exerceu cargos relevantes no Ministério da Educação, e foi a pessoa que deu o “start” (o início), na divulgação do primeiro grande caso de corrupção do PT, quando filmou um diretor dos  Correios (Governo do LULA), recebendo de suas mãos uma propina de R$ 3 MIL REAIS , para “facilitar” licitação nos Correios. JOEL queria provar a corrupção nos Correios. Conseguiu e paga hoje por isto, um alto preço.  Foi preso pela Polícia Federal e sofreu perseguições.   Este fato do JOEL foi a ponta do fio da meada do processo dos mensaleiros do PT, que redundou na prisão dos grandes cardeais do PT nacional .

DIA 13 DE DEZEMBRO EM JANTAR DA BOCA MALDITA DE CURITIBA

convite boca

PT – PARTIDO DOS TRABALHADORES SÓ FAZ GRANDES OBRAS (E TERMINAM), SÓ NO ESTRANGEIRO….AQUI ? “NECAS PITIBIRIBAS”…..

É DE ESTARRECER O QUE PT FAZ COM A GRANA DOS TROUXAS DOS BRASILEIROS…VEJAM A RELAÇÃO DOS INVESTIMENTOS “PETISTAS’ AOS PAÍSES “AMIGOS DO” SOCIALISMO PETISTA- CHAVISTA”…..Cheguei a ler anteriormente sobre estes fatos mas não quis acreditar….achei que era impossível o PT fazer isto.,  e não acreditava  que o LULA e a DILMA (PT), tivessem o “topete” de chegar a este ponto, de fazer dezenas de grandes obras em outros países “socialistas”, e deixar esta nação Brasil, na merda, com obras hiper faturadas que nunca terminam……vejam a relação que recebei do amigo Pozza :  (PODE CHORAR À VONTADE, POIS LÁ SE FORAM MAIS DE U$ 6 BILHÕES  (DE DÓLARES) DA TUA GRANA)…… 

barbaridade

”  Veja a noticia com as fotos de “Obras concluídas pelo PT”.

Detalhe: a  maioria destas obras foram negociadas e executadas por empreiteiras brasileiras!  

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

SOMA DESTE MEGA VALOR QUE A DILMA MANDOU PARA O EXTERIOR. O argumento de que esta grana foi para financiar empreiteiras do Brasil que atuam no exterior, NÃO VALE, pelo seguinte:

1 – Nossa grana foi gerar empregos no exterior.

2- Se estas obras fossem realizadas aqui no país, que tanto necessita delas, estaríamos gerando empregos aqui, com a vantagem de que estas grandes  obras alavancariam nossa economia NUM PATAMAR MAIOR  de mais infra estrutura, gerando mais economia e rriqueza ao Brasil…mas a DILMA (PT) prefere dar prioridade aos países estrangeiros….e o BRASIL  DILMA ?   “O Brasil ?  Que se lixe “…..

3 – Estas empreiteiras, hoje ligadas ao PT, meteram a mão em cascata nas obras que fizeram na Pterobras….Aí fica a pergunta….Se fizeram isto no Brasil, não fizeram pior  no exterior com nossa grana ?  Rolou comissão nestas obras ?

OBS:  Continuem  a votar na petezada e verão que eles vão enterrar mais ainda este país…..no lamaçal do engodo político e da corrupção…..

PT EM 12 ANOS JOGOU A PETROBRAS E AS FINANÇAS DO PAÍS…….NO LIXO ?

PARA QUEM DUVIDAR SOBRE ESTE TÍTULO É SÓ CONFERIR ESTA NOTÍCIA QUE LI  NO SITE DO J. AGOSTINHO.  Sem mais nem menos vou  colar….Divirtam-se….

REVISTA ÉPOCA/ISABEL CLEMENTE COM THAIS LAZZERI

Aditivo de contrato revela que negócio com a boliviana YPFB previu uma “extração teórica” da parte rica do gás

APURAÇÃO A refinaria  na Bolívia e o relatório dos procuradores (ao alto). Eles defendem  uma auditoria  na Petrobras (Foto: Jose Luis Quintana/LatinContent/Getty Images)
APURAÇÃO
A refinaria na Bolívia e o relatório dos procuradores (acima). Eles defendem uma auditoria na Petrobras (Foto: Jose Luis Quintana/LatinContent/Getty Images)
 

Mergulhada em denúncias de corrupção e fraudes em contratos que podem ter tirado R$ 10 bilhões de seus cofres, com ex-diretores presos e sob a mira da Polícia Federal, a Petrobras vê mais uma tempestade se aproximar no horizonte.

O Ministério Público do Tribunal de Contas da União (TCU) quer entender por que a Petrobras pagou, em agosto deste ano, US$ 434 milhões (R$ 1,126 bilhão) a mais que o previsto em contrato à YPFB, a estatal boliviana de petróleo e gás, pela “extração teórica” de um combustível “sem nenhuma utilidade”.

A investigação do Ministério Público do TCU ainda não contempla o valor real dessa fatia. Ele pode chegar a US$ 596 bilhões, com a soma de um repasse de US$ 100 milhões (R$ 259,6 milhões) aos bolivianos em 2010 e do perdão de uma multa de US$ 62 milhões (R$ 161 milhões), por falhas na entrega do produto.

O anúncio do perdão foi feito pelo presidente boliviano, Evo Morales, para a imprensa local, na cidade de Santa Cruz de la Sierra, durante a assinatura do acordo milionário com a Petrobras.

No Brasil, a benesse não foi divulgada. Os pagamentos foram feitos no início de 2010, após Morales ser reeleito pela primeira vez, e em agosto deste ano, às vésperas das eleições nos dois países.

Os detalhes da ficção por trás dos pagamentos estão num aditivo ao contrato de fornecimento de gás entre Bolívia e Brasil a que ÉPOCA teve acesso.

A soma das operações na Bolívia, US$ 596 milhões – ou R$ 1,550 bilhão –, supera o prejuízo contábil de US$ 530 milhões (R$ 1,376 bilhão) deixado pela compra da refinaria de Pasadena, outro escândalo sob investigação.

Com uma diferença: no caso de Pasadena, a Petrobras ficou com a refinaria, que pode valer menos que o valor pago, mas existe – é um ativo.

A YPFB recebeu milhões de dólares pela “extração teórica” de um subproduto do gás já vendido anteriormente à Petrobras, como estabelecido no aditivo do contrato.

“Esse aditivo não tem sentido comercial nem técnico. Muda a regra e não oferece nenhuma vantagem em troca. Está fora das melhores práticas da indústria do petróleo, que lida com contratos de longo prazo. É uma jabuticaba internacional”, afirma o advogado Claudio Pinho, professor da Fundação Dom Cabral na área de Petróleo e Gás.

“Em mais de 20 anos no setor, nunca vi um contrato que vendesse gás com a molécula fracionada.”

Eis um resumo das tecnicalidades da manobra. O documento estabeleceu que a Petrobras deveria pagar mais pela “extração teórica” da “parte rica” do gás (elementos com nomes que lembram as aulas de química, como etano, metano, propano e butano; submetidos a alta pressão e baixas temperaturas, eles se tornam líquidos).

A operação seria como se um frigorífico, depois de ter negociado com um criador de gado o preço da arroba do boi, tivesse de pagar uma quantia a mais pela “extração teórica” do filé-mignon que havia naquela arroba.

Com um agravante: a extração dessa parte nobre do gás, tratada no aditivo como “teórica”, jamais foi rea­lizada. Por uma razão simples.

Não existe no Brasil nem na Bolívia indústria processadora capaz de dar conta de extrair a “parte rica” de 30 milhões de metros cúbicos de gás por dia, volume do fornecimento da Bolívia.

Para ter uma ideia, a maior unidade brasileira, em Caraguatatuba, processa 7 milhões de metros cúbicos por dia.   

Outro aspecto que chamará a atenção dos investigadores: a Agência Nacional do Petróleo (ANP) precisaria autorizar a importação do gás líquido.

Consultada, a ANP informou que “não autorizou a importação de líquidos do gás natural proveniente da Bolívia”, porque hoje há “importação de gás natural por gasoduto”.

A importação do gás liquefeito, afirma a ANP em nota, precisaria ser feita “de forma segregada. A separação dos líquidos na Bolívia e sua importação por meio de instalação dutoviária específica”, depois de obtida “uma autorização prévia da ANP”.

Herança das negociações do ex-presidente Lula com Evo, o acerto de contas entre as duas petrolíferas, concluído em setembro, foi comunicado de forma seca ao mercado como “um acordo vantajoso”.

Na mesma nota, a Petrobras admitiu que o negócio teria um impacto negativo de US$ 268 milhões no balanço trimestral – aquele cuja divulgação foi adiada para se adequar às investigações em andamento na Operação Lava Jato.

A história da cooperação entre Brasil e Bolívia na área de gás é antiga. As primeiras tratativas datam de 1975, quando o governo Ernesto Geisel assinou o primeiro acordo para a construção de um gasoduto.

O projeto só saiu do papel no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1996, quando Brasil e Bolívia assinaram o Tratado de La Paz. Dos 3.150 quilômetros do gasoduto, 2.593 foram planejados em território brasileiro.

As obras começaram em 1997. O primeiro trecho foi inaugurado ainda na era FHC, e a Petrobras se tornou a maior empresa em atividade na Bolívia.

A relação produtiva entre os dois países começou a estremecer em 2006, quando Evo, escudado na decisão de um plebiscito, nacionalizou o gás. Militares invadiram as refinarias, também as da Petrobras.

Na época, o ex-presidente Lula afirmou: “Não faremos retaliação a um país infinitamente mais pobre que o Brasil, um povo mais faminto que o povo brasileiro”.

Em alguns meses, chegou-se a um acordo, extremamente desfavorável ao Brasil. As refinarias foram expropriadas, e os royalties dispararam.

Os impostos sobre a produção subiram de 50% para 82% – e a receita boliviana com impostos subiu de US$ 673 milhões, em 2005, para US$ 5,85 bilhões, em 2013.

No ano passado, a Petrobras venceu uma licitação para explorar gás em Santa Cruz, região com as maiores reservas. Aqui, o consumo do gás boliviano permanece em ascensão. Em 2013, cresceu 17,8%.
 

LINHA DIRETA O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Ele negociava diretamente com o ministro Carlos Villegas (como mostra o documento ao lado) (Foto: Alan Marques/Folhapress)

LINHA DIRETA
O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Ele negociava diretamente com o ministro Carlos Villegas (como mostra o documento acima) (Foto: Alan Marques/Folhapress)

 

Durante as negociações sobre os líquidos contidos no gás natural, ocorreu um movimento pouco usual em negociações envolvendo nações.

A partir de determinado momento, o então diretor da Área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, alvo de investigações na Operação Lava Jato, passou a tratar do assunto diretamente com o ministro boliviano para a área de Energia, Carlos Villegas (hoje presidente da YPFB).

Pela praxe diplomática, ministros negociam com ministros; diretores de estatal, com diretores de estatal.

“Dirijo-me ao senhor com o propósito de avançar nos entendimentos que temos tido nos últimos dias sobre o pagamento pelos líquidos contidos no gás natural”, escreve Cerveró, em correspondência de 12 de dezembro de 2007 para o então ministro Villegas.

No dia anterior, em papel timbrado da República da Bolívia, Villegas afirmava que “o uso dos líquidos pagos pela Petrobras será de livre disponibilidade em território brasileiro, contanto que se instale uma planta de extração de líquidos em território boliviano”.

A tal “planta de extração de líquidos” nunca foi construída. A Petrobras confirma que os líquidos nunca foram separados.

Continuam, portanto, dissolvidos no gás que vem da Bolívia, porque “elevam o poder calorífico do combustível”. (A quantidade mínima de energia no gás é prevista nesse tipo de contrato.)

A Petrobras afirma que, em troca do aditivo, o Brasil terá prioridade na remessa de gás que ela própria venha a descobrir na Bolívia.

Considerando que a Bolívia não tem mercado para seu gás, que os demais vizinhos não rivalizam em porte com o mercado brasileiro e que sempre foi interesse do Brasil garantir esse suprimento, a nota da Petrobras reafirma o óbvio.

“Diante da competição do gás que virá da Bacia de Santos, quem tenta se garantir é a Bolívia”, diz o consultor François Moreau, especialista no setor de petróleo e gás.

“O Brasil pagou por algo que não existe. Um pagamento retroativo, sem benefício econômico.”

O contrato de fornecimento de gás com o Brasil rende para a Bolívia US$ 4 bilhões por ano. O combustível é transportado pelo gasoduto Brasil-Bolívia.

Sem saída para o mar, a Bolívia tem como desafio aproveitar sua principal riqueza, a maior jazida de gás natural livre (sem petróleo associado) do continente.

A Bolívia tem duas fábricas de extração de líquido de gás natural. Uma está em obras. A outra, em funcionamento há um ano em Santa Cruz, exporta combustível para Uruguai, Peru e Paraguai.

O aditivo contratual está disponível no site da YPFB e pode ser um bom caminho para a investigação descobrir como uma “extração teórica” se transformou num prejuízo bilionário, que nada tem de teórico.  “

A  CONCLUSÃO ?  Está na cara senhores reles mortais….o PT jogou o patrimônio da Petrobras num monte de lixo…. antes, porém  tirou bilhões de propinas nestes negócios e outros negócios espúrios que afundaram esta Estatal,  ícone da brasilidade.