POLÍCIA FEDERAL DO LAVA JATO….CAUTELA PARA EVITAR “QUEIMA DE ARQUIVOS VIVOS”! MUITO…… “VIVOS”…..

POLÍCIA FEDERAL TOMA CUIDADOS ESPECIAIS NO TRANSPORTE DOS PRESOS  “DE OURO”……DA “LAVA JATO”.  A cautela e o receio de tentativas de se apagar ou queimar um arquivo vivo, ou sejam……os delatores da grossa e mega corrupção da operação lava jato, tem levado a Polícia Federal de Curitiba a tomar todos os cuidados para que o processo não “mele”, ou sofra solução de continuidade pela morte “acidental” de um precioso delator da histórica corrupção bilionária da Petrobras….(Ref. UOLNotícias Políticas)…..

PF revela temor de atentado em escolta e uso de “snipers” na Lava Jato

Carlos Ohara
Do UOL, em Curitiba

21/07/201514h40

 Jorge Araújo – 14.jul.2015/Folhapress
  • Agentes da PF acompanham o dono da UTC, Ricardo Pessoa; PF revela que teve que utilizar um veículo blindado para transportar o delator para uma audiência com o juiz Sergio MoroAgentes da PF acompanham o dono da UTC, Ricardo Pessoa; PF revela que teve que utilizar um veículo blindado para transportar o delator para uma audiência com o juiz Sergio Moro

Policiais federais que atuam na operação Lava Jato, cujo centro das investigações é em Curitiba, tiveram que alterar o roteiro previamente definido para a escolta de um dos detidos para evitar a possibilidade de um atentado. A PF não divulga a identificação do preso que estava sob escolta e nem os detalhes da ameaça, detectada durante o trajeto do comboio.

A revelação deste episódio e de outros detalhes de bastidores sobre a operação ocorreu na manhã desta terça-feira (21) durante uma palestra direcionada a jornalistas na sede da superintendência da Policia Federal em Curitiba. Policiais do Núcleo de Operações da PF explicaram  detalhes da atuação do setor — responsável pela escolta de presos, controle de distúrbios civis e segurança de autoridades.

O policial Celso Secolo, um dos palestrantes, contou que os deslocamentos com os detidos na operação são definidos com roteiros múltiplos. Somente no momento da partida do comboio é que é anunciado o trajeto que será percorrido. Em alguns casos, parte do trajeto é acompanhada por “snipers” (atiradores de elite) posicionados em edifícios ao longo da rota. Todas as precauções visam resguardar a segurança da pessoa que está sendo transportada e a complexidade do aparato de segurança é analisada com base nas informações do perfil da pessoa detida. “Em alguns casos, no âmbito desta operação [Laja Jato] a escolta é realizada para verdadeiros ‘arquivos vivos’ e a nossa responsabilidade e a preservação da integridade desta pessoa”, disse Newton Ishi, chefe do Núcleo de Operações da PF em Curitiba.

Citando outro exemplo de alteração de um plano de deslocamento, Secolo revelou que a PF teve que utilizar um veículo blindado para transportar o delator Ricardo Pessoa, dono da UTC, para uma audiência com o juiz Sergio Moro. “A imprensa divulgava relatos que ele entregaria várias pessoas importantes. Detectamos correspondências com ameaças a ele [Pessoa]. Neste caso, preferimos o uso de veículos blindados e o reforço na escolta.”

Ricardo Pessoa afirmou, em delação premiada, que repassou R$ 3,6 milhões de caixa dois para o ex-tesoureiro da campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010, José de Filippi, e para o ex-tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, entre 2010 e 2014. Ele também citou políticos de partidos como PTB, PP e PSDB em seu depoimento.

Além de demonstrar o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Operações, a palestra com os jornalistas teve o objetivo de discutir limites físicos para a atuação, principalmente de cinegrafistas e fotógrafos que, em busca da melhor imagem, acabam entrando em áreas consideradas de risco. “Quando realizamos a escolta, seguimos um mantra: o comboio não para nunca. Ou seja, se alguém entrar na frente, vai ter problema”, alertou o agente federal.

A operação Lava Jato investiga irregularidades em contratos da Petrobras junto a um grupo e empreiteiras que inclui, além da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, empresas como a UTC, Camargo Correa, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia, entre outras. Segundo as investigações, pelo menos R$ 10 bilhões foram desviados pelo esquema. Parte do dinheiro seria destinada político e partidos, entre eles o PMDB, PT e PP.

Ampliar

Operação Lava Jato da PF192 fotos

186 / 192

14.jul.2015 – Oficiais deixam edifício onde residem senadores, em Brasília, nesta terça-feira (14). A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal, deflagrou a Operação Politéia que tem como objetivo o cumprimento de 53 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, referentes a seis processos instaurados a partir de provas obtidas na Operação Lava Jato Leia mais Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: