Archive for 8 de Agosto, 2015

MADURO (EX – MOTORISTA) NO COMANDO DA VENEZUELA….AGUENTA ATÉ QUANDO ? ?

“ALMOÇO GRÁTIS” ESTÁ DIFÍCIL NA VENEZUELA…..Pelo sim pelo não, repico esta reportagem que recebi via face direto da Venezuela….O desabastecimento provoca desespero do povão de lá…..Vejam o caos que poderá ocorrer na Venezuela…

Venezuelanos saqueiam prefeitura e queimam quadros de Chávez e Maduro

Felipe Corazza

05 agosto 2015 | 20:08

População invade prédio em protesto contra escassez de alimentos e outros itens básicos

Manifestantes furiosos invadiram e saquearam a sede da prefeitura da cidade de Sinamaica, no Estado venezuelano de Zulia, segundo informou o jornal El Nacional. Imagens divulgadas por redes sociais mostraram o momento da invasão.

População saqueia e destrói prefeitura de Sinamaica, na Venezuela

Os saqueadores roubaram equipamentos e queimaram quadros e fotos do ex-presidente Hugo Chávez e de seu sucessor e atual mandatário, Nicolás Maduro. A crise venezuelana, que tem como principais componentes escassez de alimentos e outros itens básicos, além de descontrole cambial e prisão de líderes da oposição, se agravou nas últimas semanas.

Pelo menos duas salas foram totalmente destruídas pelo fogo, incluindo a que guardava os arquivos de registro civil do município. A polícia não conseguiu impedir que a população também saqueasse e danificasse quatro veículos pertencentes à prefeitura de Sinamaica.

GOVERNANTES BURROS….PAÍS ATRASADO….

BRASIL CAMPEÃO DO ATRASO.  Países de primeiro mundo estão iniciando um processo de suo de fontes de geração de energia  alternativa LIMPA, notadamente  no uso de placas de captação de raios solares e grandes usinas com uso do vento para move geradores modernos, além do bio gás com uso de fezes de animais…Isto vai até o carro movido a eletricidade que já está sendo comercializado nos países avançados….aqui  no Brasil nossos governantes só sabem discutir política e eleições…Vejam como a DINAMARCA caminha firme para  libertar-se completamente do poluidor petróleo……

Produção de energia eólica na Dinamarca excede demanda do país

11/07/2015 14h20
Energia Eólica

Getty Images

A produção de energia eólica da Dinamarca atingiu a marca de 140% em relação à demanda energética nacional, na última sexta-feira (10). Com isso, o país pôde exportar energia para a Alemanha, para a Suécia e para a Noruega. 

Os 140% representam um valor acima da média de um dia com muito vento, que é de 116%. O novo recorde foi atingido quando a demanda energética do país baixou, por volta das 3 horas da manhã de sexta-feira.

ADVERTISEMENT
 

“Isso mostra que um mundo que funciona 100% com energia renovável não é uma fantasia”, informou Oliver Joy, da Associação de Energia Eólica da Europa, segundo o The Guardian. “A energia proveniente do vento e de fontes renováveis podem ser a solução para a descarbonização – e também para a segurança do suprimento em tempos de alta demanda.”

Líder no segmento de energia renovável, a Dinamarca, que tem 5,6 milhões de habitantes (menos da metade da população de São Paulo), tem a meta de produzir metade de sua demanda energética com a força do vento até 2020. Outro objetivo do país é acabar completamente com o uso de combustíveis fósseis, não só na geração de energia doméstica, mas também nos carros, até 2050.

Neste site é possível acompanhar a geração de energia eólica da Dinamarca. Nos últimos horários de pico do país, as fazendas de vento nem estavam operando com a sua capacidade total (4,8GW) para atender a demanda energética. 

Aproximadamente três quartos da capacidade eólica do país vêm de parques eólicos onshore, que têm forte apoio do governo.

A marca histórica de geração de energia da Dinamarca aconteceu na mesma semana em que o Facebook anunciou um novo data center nos Estados Unidos que funcionará com energia eólica.

Fonte: The Guardian

DINAMARCA SAIU NA FRENTE……NO FUTURO SÓ AGRICULTURA ORGÂNICA…..

AGRICULTURA ORGÂNICA AVANÇA.  Recebi do amigo MOLINA, este texto sobre agricultura orgânica…Vejam:

Dinamarca – o primeiro país que, por lei, só terá agricultura orgânica

  • Agosto 6, 2015
  • Escrito por Alice Branco

A Dinamarca está se preparando para ter uma agricultura totalmente sustentável. Este é um dos projetos que o atual governo tem intenção de por em prática a de transformar a agricultura dinamarquesa em 100% orgânica. 

A primeira meta, a ser alcançada até 2020 é a de se duplicar a quantidade atual de terra cultivada organicamente. Atualmente, a Dinamarca já é o país com maior desenvolvimento e amplitude do comércio de produtos orgânicos. E em 2015 pretende investir mais de 35 milhões de euros para ampliar a agricultura biológica.

A agricultura biológica na Dinamarca está à frente de seu tempo. São já quase 25 anos de existência e aplicação de leis sérias de proteção à natureza, às águas, ao uso de defensivos e outros produtos agrícolas, sendo que 97% da população conhece o seu significado e importância. É um verdadeiro recorde, assim como o fato de que a despesa total de alimentos do país é composta por 8% apenas de produtos certificados. E desde 2007, a exportação de produtos orgânicos na Dinamarca aumentou em 200%.

Com essa ótica, a Dinamarca hoje se propõe trabalhar em duas frentes diferentes: uma delas visa aumentar a quantidade de terras agrícolas que usem agricultura biológica e o outro, estimular uma maior demanda para os produtos de origem comprovadamente orgânica e sustentável.
Assim, serão privilegiados os produtores que quiserem investir na conversão de suas terras, da agricultura convencional para a orgânica e biodinâmica e os projetos que visem o desenvolvimento de novas tecnologias para a promoção da sustentabilidade no campo.
Neste contexto já está em marcha, nas prefeituras locais, a ocupação de áreas antes baldias, com produção de hortaliças sazonais, de forma orgânica.

Como primeiro objetivo, o país pretende oferecer às escolas, cantinas e hospitais, até um 60% de alimentos de origem orgânica. Atualmente essas instituições públicas nacionais servem 800 mil refeições por dia. A mesma política, de servir só refeições de origem orgânica, já está sendo ampliada para os ministérios dinamarqueses em suas cantinas.

Na educação já está sendo prevista uma reforma do sistema atual para incluir cursos de nutrição, alimentação saudável e agricultura natural.

Em suma, o país inteiro, com todas suas instituições, marcha junto para transformar-se em uma região livre de agrotóxicos, onde a alimentação saudável é assunto de estado.Um bom exemplo, desde que a realidade no campo não seja “apagada” pela propaganda enganosa da indústria alimentícia.

___________________________________________________________________

O DESASTRE PESSOAL E AMBIENTAL AOS BRASILEIROS.

Pesquisei dados na web e constatei em reportagem do jornal O Globo os sdeguintes dados apavorantes sobre o consumo  de agro tóxicos no Brasil…..Vejam é de estarrecer….

– DADOS DE 2011.

– GASTO DE 8, 5 BILHÕES DE DÓLARES  –  CONSOME UM MILHÃO DE TONELADAS / ANO

-O BRASIL É O MAIOR CONSUMIDOR DE AGROTÓXICOS DO MUNDO

-CADA BRASILEIRO USA (NA DIVISÃO POR HABITANTE)…..5 QUILOS DE AGROTÓXICOS / ANO.

BILL  CLINTON, ex- presidente dos Estados Unidos, quando esteve no Brasil, foi recomendado pelos estrategistas da Casa Branca, para a comitiva que o acompanhava, para não consumirem saladas no Brasil. Este fato foi sai na imprensa toda do Brasil.

___________________________________________________________________________

DO  SÍTIO NOVA VIDA – ALERTA CONTRA O AGROTÓXICO. Vejam em detalhes O PERIGO…..

 

O Agrotóxico está em sua mesa, saiba mais abaixo!

Há 3 anos, o Brasil é campeão mundial no uso de agrotóxicos. São 850 milhões de litros por ano, ⅕ do do que todo o planeta consome. Na ponta do lápis, significa que cada pessoa ingere 5 litros de veneno por ano. Por aqui, se usa agrotóxicos banidos há tempos em outros países. Estudos toxicológicos confirmam que o coquetel de agrotóxicos ingerido no consumo de frutas e verduras pode causar Mal de Parkinson e Alzheimer e outras doenças degenerativas. Puros ou associados, aumentam casos de câncer, aborto, doenças neurológicas, má formação fetal e mal estar constante entre agricultores, moradores rurais e consumidores.
O uso dos venenos se alastra no campo e nas zonas periurbanas, por terra, ar e água e o efeito dessa carga pesada contamina rios e solos, diminui a biodiversidade e definitivamente não aumenta a produtividade tampouco resolve o gigante problema da fome e da insegurança alimentar e nutricional, como alegam os fabricantes de veneno, pesquisadores financiados por estas empresas e técnicos agrícolas ultrapassados.


O lodo sujo da indústria química agroalimentar vem à tona à medida que a sociedade sofre, se organiza e bota a boca no mundo. Numa condenação histórica, a justiça da cidade de Córdoba, na Argentina, declarou delito penal as pulverizações com agrotóxicos em campos de soja acerca dos bairros povoados. E condenou duas das três pessoas que foram levadas aos tribunais. Há 12 anos, as famílias denunciam mortes e lesões em consequencia do uso de agrotóxicos. A luta em Córdoba começou pela determinação de uma das mães do bairro, Sofía Gatica, que em 1997 perdeu um bebê que havia nascido sem os rins. Ela demorou a juntar uma coisa com a outra, até que percebeu um número pouco usual de mulheres com lenços na cabeça e crianças com máscaras a caminhar pela região. Leia a notícia na íntegra.

Banir o uso indiscriminado e criminoso de veneno está em nossas mãos. E inventar soluções a esse sistema agroalimentar falido também. A agroecologia está aí para provar seu potencial de alimentar as pessoas mais pobres e proteger os recursos naturais. Relatório da ONU apresenta iniciativas agroecológicas em várias partes do mundo e afirma que, se replicadas, podem dobrar a produção de alimentos. Veja no vídeo quais são os mitos que você sempre ouviu sobre agroecologia mas ninguém teve coragem de negar.

Preocupados e indignados com o fato de o Brasil ter se tornado o campeão mundial absoluto no uso de agrotóxicos, representantes de movimentos sociais e ambientais, estudantis e pesquisadores na área da nutrição e saúde criaram a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida com o objetivo de sensibilizar a população para os riscos que os agrotóxicos representam e tomar medidas para frear seu uso no Brasil.

Estruturada em comitês estaduais e municipais, a campanha promove debates, seminários e encaminha propostas de políticas pública para reduzir o uso dos venonos nos alimentos e abrir espaço para a produção agroecológica. Recentemente, lançou um projeto para ampliar suas ações com a criação de material de divulgação, formação de agentes multiplicadores, cessões de cinema e debates, criação de hortas comunitárias orgânicas, produção de vídeo. O financiamento da campanha é feito em modelo colaborativo, onde cada pessoa escolhe o valor da contriução. Além de apoiar a causa, recebe em troca uma prenda. As cotas vão de 15 a 1200 reais e as recompensas são um prato cheio: adesivo da campanha, DVD com documentário sobre o tema, cesta de alimentos orgânicos, visita a sítios com direito a colheita na horta, materiais educativos, aulas de ioga, etc.


“A escolha dos produtos oferecidos foi feita pensando em valorizar parceiros que produzem com qualidade e enfrentam dificuldades de acesso ao mercado”, explica Susana Prizendt, coordenadora da Campanha em SP. Quase 260 pessoas já apoiaram espontaneamente o projeto, querem fazer parte de algo maior e querem fazer da maneira mais direta possível.