BNDES E FRIBOI (COM DONOS FANTASMAS) PODEM SER O PRÓXIMO ESTOURO DA – BOIADA – DA FASE LULA PRESIDENTE ?

“Quem é o dono da JBS – FRIBOI ? Por quê os controladores da JBS estão ocultos em paraísos fiscais secretos ?  “

PRÓXIMO ESTOURO DE ESCÂNDALO  DA FASE LULA / DILMA PT PODE SER NO BNDES?  Nem mesmo jornalistas especializados em investigações de controles acionários de empresas multinacionais, conseguiram desvendar o grande mistério FRIBOI – JBS  de quem,  ou a que grupo pertence o controle acionário da JBS – FRIBOI. É UM BAITA MISTÉRIO….MISTERIOSO…

TEREMOS UM POSSÍVEL NOVO ESCÂNDALO  PETISTA NO BNDES?   Há muito tempo a oposição vem questionando as “facilidades”com o BNDES abriu os cofres para fazer financiamentos suspeitos diversos na fase PT,  entre os quais este para a JBS – FRIBOI, cujas cobranças da oposição receberam como resposta do BNDES uma negativa nas informações secretas , com a alegação de SIGILO BANCÁRIO.  O  BNDES emprestou a JBS   –  OITO BILHÕES DE REAIS  – e hoje tem nesta empresa 25 % das ações, sendo ainda que a CEF – CAIXA ECONÔMICA FEDERAL está atolada em mais 10 % de ações…..Vejam mais esta “ponta de iceberg” de um provável novo “estouro da boiada”, nos currais do LULOPETISMO, desta vez direto do coração do BNDES, que é sócio desta empresa de donos OCULTOS….VEJAM ABAIXO MATÉRIA DE – PAVIO DE BOMBA QUEIMANDO -……  (Ref. GERALDO SAMOR – VEJA MERCADOS)……..

VEJA Mercados

O capitalismo e seus protagonistas. A estratégia das empresas. A tal da mão invisível. O espírito animal. E as políticas públicas que ajudam e atrapalham.

SOBRE 

Geraldo Samor foi correspondente no Brasil do The Wall Street Journal, da agência Dow Jones e da International Financing Review (IFR). Foi produtor do Podcast Rio Bravo e consultor de hedge funds americanos com investimentos no Brasil. Desde 2014, é responsável pelo VEJA Mercados.

Friboi: O curioso caso do controlador fantasma

Por: Geraldo Samor  02/06/2014 às 17:09

Joesley Batista

Este é mais um caso de “não vi, não sei quem é, não sei de nada” — mais uma vez, de proporções épicas.

A JBS, uma das maiores empresas brasileiras em faturamento, dona da marca Friboi e responsável por aquisições bilionárias nos últimos anos, diz que não sabe quem é o detentor de 13% de seu capital.

A Blessed Holding, uma sociedade incorporada em Delaware, nos EUA, onde há menos exigências legais para a abertura de empresas, aparecia até semana passada como dona de 13% do capital da JBS… até que o jornal O Estado de São Paulo começou a fazer perguntas à CVM.

Na sexta-feira, a JBS alterou a participação da Blessed em seu capital em seu formulário de referência (um documento que as empresas têm que arquivar com a CVM), reduzindo sua participação na companhia para 6,6%, cujo valor de mercado é de cerca de 1,4 bilhão de reais.

Mas o mistério permanece. Quem está por trás da Blessed?

A empresa tem como acionistas duas seguradoras — a US Commonwealth Life e a Lighthouse Capital — sediadas em paraísos fiscais diferentes, mas com telefones e emails para contato iguais. Até agora, ninguém identificou as pessoas físicas por trás das seguradoras.

“Os donos da JBS costumam declarar que não sabem” quem é o dono da Blessed, escreveram no Estadão as repórteres Alexa Salomão e Josette Goulart.

Convém continuar perguntando. Uma empresa do tamanho da JBS não pode correr tamanho risco de imagem, ainda mais quando bilhões de reais do BNDES entraram na empresa nos últimos anos.

O BNDES já investiu mais de R$ 8 bilhões na JBS e hoje é dono de 25% da empresa. A Caixa é dona de outros 10%. Ou seja: dinheiro público é dono de mais de um terço da JBS.

Ao que tudo indica, a Blessed é a criança bastarda de um casamento forçado.

O BNDES foi o padrinho da união societária entre os Batista e os Bertin, famílias que não exatamente morriam de amores uma pela outra. O banco sempre foi credor e acionista tanto da JBS quanto de seu concorrente, o frigorífico Bertin.

Em 2009, com o Bertin vergando sob o peso de R$ 6 bilhões em dívidas, o BNDES decidiu que fazia sentido enterrar a dívida de uma empresa na outra, formando assim um ‘campeão nacional’ cada vez mais ‘too big to fail’.

Logo depois da fusão, a Blessed apareceu no formulário de referência da JBS como parte da cadeia societária que controla a empresa. E em meados do ano passado, virou pivô de uma briga feia entre as duas famílias, com os Bertin acusando os Batista de falsificar assinaturas e roubar-lhes 1 bilhão de reais. Há alguns meses, as famílias chegaram a um acordo pelo qual os Bertin sairão da sociedade, mas a Blessed continua sendo um ponto de interrogação.

Agora, a JBS se prepara para fazer o IPO de uma subsidiária, a JBS Foods. Nunca a necessidade de transparência foi tão grande.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: