57 ANOS DE SOCIALISMO EM CUBA…… E DEU NO QUE ESTÁ DANDO…..ABERTURA….

ESTIVE DUAS VEZES EM CUBA E CONSTATEI ISTO.  Por duas vezes visitei Cuba, que parou nos no tempo dos anos 1950 e no espaço.  Havana, cidade linda, com povo maravilhoso, é a mesma dos anos 50…..Ainda hoje visitar Cuba, Havana, Ilha de Cayo Largo , e Varadeiro (praia maravilhosa), é voltar ao passado.   Vejam este interessante artigo que relata a realidade de Cuba.  (Ref. site Instituto Ludwig Mises Brasil)……

Os números de Cuba, divulgados pelo seu próprio governo, comprovam: socialismo é pobreza

por , segunda-feira, 28 de março de 2016


versão para impressão

cuba.jpgQue Cuba se tornou um país paupérrimo após 57 anos de socialismo é algo que qualquer pessoa pode intuir ao simplesmente analisar os fluxos migratórios: durante os últimos 50 anos, mais de um milhão de pessoas (cerca de 10% da população da ilha) se lançaram desesperadamente ao mar, utilizando qualquer coisa que flutue, correndo o risco de ser devoradas por tubarões, apenas para escapar deste macro-presídio político e econômico.  Isso, e apenas isso, já bastaria para se ter uma noção das condições de vida na ilha-presídio. 

No entanto, certamente esses exilados não comovem os defensores do regime, os quais sempre rápidos em rotulá-los como “ratos traidores”, “burgueses”, “elite privilegiada” e “inimigos do povo”, seguindo ordens de seu admirado gerontocrata multimilionário.

Sendo assim, convém analisar as reais condições de vida (após quase 60 anos de revolução) em Cuba utilizando os números divulgados pelo próprio regime.  Isto é, analisemos como se vive em Cuba segundo as próprias estatísticas da ditadura castrista.

De acordo com o Anuario Estadístico de Cuba 2014, o salário médio mensal no país, que era 455 pesos cubanos em 2011, subiu para 584 pesos cubanos em 2014.  

Porém, qual o valor de um peso cubano?  Para os turistas, e exclusivamente para os turistas, um peso cubano conversível vale um dólar.  Isso significa que o turista que chega com um dólar é obrigado a trocá-lo por um peso cubano.  Mas, para os habitantes da ilha, que não têm acesso a esse mercado controlado pelo governo, o câmbio é outro: atualmente, 26,5 pesos cubanos equivalem a um dólar.

Ou seja, o salário médio em Cuba equivale a 22 dólares mensais — ou R$ 81 mensais; enquanto isso, no Brasil, o salário médio nominal está em R$ 2.231.

Os salários médios mais baixos estão na indústria hoteleira (377 pesos cubanos, ou R$ 52) e os mais elevados estão na indústria açucareira (963 pesos cubanos, ou R$ 162).  Os salários do setor educacional são inferiores à média (527 pesos cubanos, ou R$ 74) e os do setor de saúdes, superiores (712 pesos cubanos, ou R$ 100).

Logo, quem trabalha na indústria hoteleira recebe US$ 14,20 mensais e quem trabalha no setor educativo, menos de US$ 20 mensais.  

E vale ressaltar que estes são os salários médios de cada setor: ou seja, há muitos cubanos recebendo valores consideravelmente menores do que esses.

Isoladamente — dirão os defensores do regime — tais dados talvez não sejam demasiadamente informativos.  Talvez — dirão eles — os preços em Cuba sejam tão baixos, que um cubano médio pode viver estupendamente bem com pouco mais de 20 dólares por mês.

No entanto, é óbvio que isso não procede.  E, por sorte, não é nem necessário especularmos sobre como são os preços dos bens na ilha; o próprio governo castrista já faz esse serviço para nós.  Dado que a imensa maioria dos preços é completamente controlada pelo governo, podemos saber em primeira mão quanto custam determinados produtos básicos recorrendo às resoluções do Ministerio de Finanzas y Precios, que é o órgão que estipula os preços dos bens de consumo em Cuba.

Sendo assim, de acordo com a resolução 95/2014, um pedaço de pão de 130 gramas custa 3,25 pesos cubanos.  Já uma dúzia de ovos custa, segundo a resolução 61/2011, 13,2 pesos cubanos.  Um quilograma de leite em pó, segundo a resolução 165/2014, custa 175 pesos.  Uma lata de extrato de 440g de tomate custa 8,1 pesos (resolução 38/2013).  Um quilo de peito de frango custa 119,25 pesos.  E um litro de iogurte natural, 29,15 pesos (resolução 214/2012).

Ou seja, o salário médio da população cubana — atenção, estamos falando do salário médio de toda a população (que no Brasil é de R$ 2.231) e não apenas de um salário mínimo — permite que ela adquira, mensalmente, 20 pedaços de pão, três dúzias de ovos, um quilograma de leite em pó, dez latas de extrato de tomate, um quilo de frango e um litro de iogurte natural.

Prosperidade em estado puro.

No entanto, é claro que nem só de alimentos básicos vive o homem.  Sendo assim, convém conhecer os preços de outros bens que, no Ocidente, já são considerados essenciais: uma caixa de fósforos custa 1 peso (resolução 51/2013); uma mensagem de texto de celular (o SMS) chega a 2,3 pesos, e uma hora de internet custa 53 pesos (preços oficiais da empresa estatal ETECSA cotados em “peso cubano conversível”, o qual vale um dólar).

Já uma saboneteira custa 75 pesos (resolução 80/2011). Um creme dental, 4 pesos (resolução 78/2014).  Um tambor de detergente de 2,5 quilogramas, 119 pesos.  Um aparelho de rádio, 321 pesos.  

E uma televisão de 29 polegadas, 9.275 pesos (resolução 214/2012).

Vale enfatizar: uma televisão equivale a nada menos que 16 meses de trabalho.

Em suma, as condições de vida em Cuba são totalmente miseráveis.  E não, não são miseráveis por causa do embargo americano, mas sim porque o socialismo gera pobreza.  O embargo nunca impediu Cuba de transacionar com nenhuma empresa de outro país.  Com efeito, as importações cubanas chegaram, em 2013, 6,72 bilhões de dólares (8,7% de seu PIB).  

Se Cuba não importa mais é simplesmente porque não exporta mais (para importar é necessário ou exportar ou atrair investimentos estrangeiros).  E não exporta mais porque sua capacidade produtiva sob o socialismo é totalmente deficiente e porque seu governo não é receptível ao capital privado estrangeiro.  Com exceções, as mercadorias produzidas em Cuba são incapazes de concorrer em qualidade e preço nos mercados ocidentais.

Cuba é pobre porque é socialista.  E socialismo é pobreza.

Juan Ramón Rallo é diretor do Instituto Juan de Mariana e professor associado de economia aplicada na Universidad Rey Juan Carlos, em Madri.  É o autor do livro Los Errores de la Vieja Economía.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: