O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) realizou durante os governos Lula e Dilma diversos empréstimos financeiros com a finalidade de promoção do desenvolvimento. Com a abertura de investigação por parte da Polícia Federal, através da Operação Lava Jato, surgiram suspeitas em relação a concessão desses empréstimos inclusive para aplicação no exterior.

Repasses de dinheiro destinados a Angola e Cuba foram debatidos amplamente pela Câmara dos Deputados principalmente quando a presidente afastada Dilma Rousseff colocou as informações desses repasses de dinheiro sob sigilo, impedindo a divulgação pública e o acesso aos dados para obtenção e destinação do dinheiro.

O novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, garantiu que o presidente em exercício Michel Temer quer uma varredura nas contas do BNDES para ter certeza da situação financeira do banco. Há, para eles, muita suspeita sobre a concessão de valores expressivos para aplicação em obras no exterior, ainda mais quando algumas empresas estão envolvidas em grandes esquemas de corrupção.

A caixa preta do BNDES deve esconder informações que poderão colocar o país em um novo patamar de líder em corrupção.