A peemedebista Rose de Freitas, líder do governo de Michel Temer no Congresso, disse a O Antagonista estar “muitíssimo arrependida” de ter votado pela não inabilitação de Dilma Rousseff.

“Votei pelo impeachment, mas, na segunda votação, votei na pessoa. Achei que ela deveria ter a oportunidade de trabalhar, de ter o livre-arbítrio dela preservado, de continuar a vida dela. Mas vou dizer para você algo que ainda não disse a ninguém: estou muitíssimo arrependida, sabia? Se eu pudesse voltar atrás, eu voltaria. O Senado fez um gesto de generosidade com ela. E o que ela fez? Em seguida, fez um discurso profundamente raivoso, ofensivo, vestida de vermelho, no Palácio do Alvorada. Aquilo não condizia com alguém que tinha acabado de receber praticamente um indulto do Senado para tocar a sua vida política e pessoal.”

Rose de Freitas afirmou também que votou pela não inabilitação porque “Renan Calheiros assim acenou”.

“Eu estava em dúvida. Sou constituinte e nunca vi aquilo. Mas, na hora em que o Renan falou, não tive mais dúvidas. O presidente do STF aceitou (o fatiamento), o Renan falou: aquilo foi determinante.”

A líder se refere ao momento que relembramos aqui mais cedo.