SERGIO CABRAL EX GOVERNADOR DO RIO DE JANEIRO….UM CORRUPTO OCULTO ?

SERGIO CABRAL GOVERNOU O RIO DE JANEIO POR DOIS MANDATOS….FOI O GRANDE PARCEIRO TIPO “CARNE E UNHA” DO PT…EM TUDO….Cabral comandou o Rio de Janeiro na época em que o LULA e depois a DILMA,  foram  presidentes, em cuja época o PT fez jorrar grana federal a vontade para o CABRAL, para mega festas,  primeiro  nos  JOGOS PAN AMERICANOS, depois na COPA DO MUNDO,  e finalmente o nas  OLIMPÍADAS MUNDIAIS.  

 

OBRAS  DE SEGUNDA SUPER FATURADAS.  Nestes três eventos as construções de grandes estádios foram alvos de diversas notícias de grandes corrupções a preços hiper faturados com qualidade de segunda categoria…..Rolou propina para todos os políticos e empresários envolvidos diretamente neste esquema da “Cidade Maravilhosa”, hoje totalmente quebrada e em completa crise de moral e e financeira. Vejam a cacetada que o CABRAL levou do juiz da  “operação saqueador”, que  comanda o processo judicial destas mega corrupções…..(Ref. Jornal Extra Rio de Janeiro)…..

Publicado em 24/10/16 22:12 Atualizado em 25/10/16 01:12 

Juiz diz que Cabral apadrinhou esquema ‘gigante’ de corrupção

Cabral. Ex-executivo da construtora Andrade Gutierrez teria delatado propina de 5% em obrasCabral. Ex-executivo da construtora Andrade Gutierrez teria delatado propina de 5% em obras Foto: Terceiro / Bruno Itan/07-02-2014

 

Juliana Castro – O Globo

Tamanho do texto A A A

RIO — As investigações da Operação Saqueador apontam que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) apadrinhou um esquema de desvio de recursos públicos da construção do Parque Aquático Maria Lenk, para os Jogos Pan-Americanos de 2007, e da reforma do estádio do Maracanã.

A citação a Cabral foi feita em um despacho de 28 de junho do juiz Marcelo Brêtas, da 7ª Vara Federal Criminal.

“As investigações produziram fortes elementos que apontam para a existência de gigantesco esquema de corrupção de verbas públicas no Rio de Janeiro, que contou, inclusive, com o apadrinhamento do então governador de Estado Sérgio Cabral”, diz um trecho do despacho de Brêtas.

O magistrado diz que a menção a Cabral decorre de depoimentos de delatores ouvidos pelo Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava-Jato.

Os dois delatores seriam Clóvis Primo e Rogério Nora de Sá, ex-executivos da construtora Andrade Gutierrez, que disseram que o peemedebista cobrou 5% de propina nessas obras.

 

Sá disse aos investigadores que Cabral usava a palavra “contribuição” quando fazia referência a propina.

Segundo ele, a reunião em que o ex-governador pede para a Andrade Gutierrez “contribuir” para poder fazer parte do consórcio que fez as obras do Maracanã ocorreu em 2009, no Palácio Laranjeiras, mas que ele não se lembra a época do ano.

Ainda de acordo com o delator, a Odebrecht e a Delta ainda não estavam consorciadas, mas Cabral demonstrou que a incumbência da reforma era das duas empreiteiras.

LIGAÇÃO COM CAVENDISH

A Operação Saqueador foi deflagrada este ano pela Polícia Federal e pelo MPF e tem como alvo os negócios da construtora Delta. O dono da empreiteira, o empresário Fernando Cavendish, está em prisão domiciliar. Ele é um dos 23 réus na ação penal que corre na Justiça Federal do Rio. O ex-governador Sérgio Cabral não está nessa lista, mas foi citado no processo.

A ligação entre o ex-governador e Cavendish já tinha aparecido antes em delações da operação Lava-Jato.

PRESENTE DE R$ 800 MIL

Um reportagem do GLOBO na semana passada mostrou que o empresário chegou a dar um anel de € 220 mil (cerca de R$ 800 mil) para a então primeira-dama Adriana Anselmo em 18 de julho de 2009.

O empresário teria se surpreendido ao ser levado por Cabral à famosa joalheria Van Cleef & Arpels, onde um anel de ouro branco e brilhantes já estaria reservado, aguardando apenas o pagamento de Cavendish.

Uma foto de Cabral com Adriana, na qual a mulher exibe o anel na mão esquerda, é uma das provas exibidas por Cavendish à força-tarefa da Lava-Jato no Rio e em Brasília para provar a compra. O empresário negocia a delação premiada.

Ele também entregou a nota fiscal, o certificado de compra e o comprovante de pagamento com cartão de crédito. Depois que a amizade com Cabral foi rompida, contou Cavendish, o anel foi devolvido a ele por um amigo do ex-governador, Paulo Fernando Magalhães Pinto.

A fotografia, segundo O GLOBO apurou, foi feita no estreladíssimo restaurante Le Louis XV, do chef Alan Ducasse, no Hotel de Paris, em Mônaco, onde o grupo de amigos liderado por Cabral estava hospedado.

O ex-governador do Rio admitiu que a mulher foi presenteada pelo empreiteiro com o anel durante jantar em um restaurante de Mônaco. O ex-governador, no entanto, disse, por meio de nota, não saber o valor da joia.

Sobre a citação nas investigações da Operação Saqueador, o peemedebista negou as acusações ao RJTV. Ele manifestou indignação e repúdio ao envolvimento do nome dele com qualquer ilícito.

Leia mais: http://oglobo.globo.com/oglobo-20350732#ixzz4PSqjfJ3p

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: