FDN (FAMÍLIA DO NORTE) MATA MAIS DE 60 DETENTOS DO PCC(PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL)……PRESÍDIOS GERRENCIADOS POR FACÇÕES…..

” FALÊNCIA DO ESTADO BRASILEIRO…”

FUNDO DO POÇO…..FIM DE LINHA NOS PRESÍDIOS DO PAÍS…..O Estado Brasileiro, a República, faliu COMPLETAMENTE no gerenciamento das prisões e presídios do país, hoje comandados por facções do crime organizado.   A inércia e conivência do Estado (Gov. Federal e governos estaduais), chegaram  no ponto mais crítico nas prisões onde as facções comandam a política de organização interna  dentro das prisões…..

A INÉRCIA DO ESTADO PLATÉIA…..O Estado só assiste conivente o drama de horror nas prisões……Leis duras do crime organizado, e com pena de morte,  duas facções em luta,  resultaram em Manaus na morte  de mais de 60 detentos…..Vejam o registro da falência do Estado na segurança prisional…(Ref. UOL BOL).

 

60 mortes em rebelião: “Nunca vi nada igual na minha vida, aqueles corpos, o sangue…fiquem com Deus!”

02/01/201713h30 

Do UOL, em São Paulo 

  • Reprodução/Youtube

    Corpos de presos durante rebelião no Complexo Penitenciário, em Manaus

    Corpos de presos durante rebelião no Complexo Penitenciário, em Manaus

O juiz titular da Vara de Execução Penal do TJ (Tribunal de Justiça) do Amazonas, Luís Carlos Valois, disse que ficou chocado com o que viu no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), em Manaus, onde uma rebelião deixou ao menos 60 detentos mortos. “Nunca vi nada igual na minha vida, aqueles corpos, o sangue…fiquem com Deus!”, escreveu Valois em sua página no Facebook.

 

A rebelião, que durou durou cerca de 17 horas, foi iniciada na tarde de domingo (1º) e só se encerrou às 7h –hora local– desta segunda-feira (2).

 

De acordo com Valois, sua presença no local foi requisitada pela Secretaria de Segurança Pública do Estado. “Chegando lá os presos tinha tomado todo o regime fechado e o semiaberto. Tinham feito um buraco e passavam de um lado para o outro”.

 

O juiz diz que liderou as negociações com os detentos. “[Eles pediram] apenas que nos comprometêssemos a não fazer transferências, a manter a integridade física e o direito de visitas”.

De acordo com Valois, não há como precisar o número de mortos. “Muitos estavam esquartejados. Difícil afirmar”.

A rebelião

O secretário de Segurança Pública de Amazonas, Sérgio Fontes, atribuiu o problema a uma guerra entre facções rivais pelo controle de tráfico de entorpecentes em Manaus. A facção conhecida como FDN (Família do Norte) teria atacado membros do PCC (Primeiro Comando da Capital).

 

“Na negociação, os presos exigiram praticamente nada. Apenas que não houvesse excessos na entrada da PM, coisas que não iriam ocorrer mesmo. O que acreditamos é que eles já haviam feito o que queriam, que era matar essa quantidade de membros da organização rival e a garantia que não seriam agredidos pela polícia. A FDN massacrou os supostos integrantes do PCC e outros supostos desafetos que tinham naquele momento. Não houve contrapartida da outra facção”, afirmou o secretário.

 

Ele afirmou que o episódio é mais um capítulo do problema que é nacional e deve ser enfrentado pelo governo federal em apoio aos Estados que vem registrando esse tipo de rebelião.

 

“Infelizmente, isso não é só nosso. Talvez um número um pouco maior que nos outros Estados. Mas ocorreu recentemente em outros presídios do Acre, Rondônia, Roraima, Acre Estados no nordeste. Exige uma medida de caráter nacional. Para tratar juntos desse problema”.

 

Anúncios

One response to this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: