Archive for 26 de Abril, 2018

LULA NUNCA VAI SE LIVRAR DA CADEIA….PALOCCI EX-HOMEM FORTE DE LULA…..FEZ DELAÇÃO PREMIADA E ENTREGA LULA DO PT……

” BOMBA DE “N” MEGATONS CONTRA O LULA DO PT….DISPARA PALOCCI “

LULA NUNCA VAI  FICAR LIVRE  DE CADEIA….A direção nacional do PT se apega só no caso do triplex do Guarujá, para gritar ao quatro ventos que o LULA É INOCENTE…..QUE NÃO TEM PROVAS ETC.ETC. Esquecem que  LULA RESPONDE MAIS UNS QUATRO PROCESSOS, E AGORA SURGE MAIS ESTE AGRAVANTE DA DELAÇÃO DO EX-LULISTA, O PALOCCI, que acertou uma delação  premiada e vai DETONAR O LULA , de modo que o LULA nunca mais se livre de cadeia… (Ref. EM. com. br)

Antônio Palocci, homem forte de Lula e Dilma, fecha delação com a PF

O ex-ministro está preso desde 2016 e, ao falar para o juiz Sérgio Moro, chegou a dizer que o PT tinha um pacto de sangue com a Odebrecht

 

 


postado em 26/04/2018 08:08 / atualizado em 26/04/2018 08:45


 

Antonio Palocci

Antonio Palocci

Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil
O ex-ministro de Lula e Dilma prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro no ano passado(foto: Reprodução Youtube)

O ex-ministro dos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, do PT, Antônio Palocci, fechou acordo de delação premiada com a Polícia Federal. A informação é do jornal O Globo.

A colaboração era uma das mais esperadas pelos investigadores da Operação Lava-Jato, já que o político era um dos principais aliados dos petistas.

Preso desde 2016, ele havia tentado um acordo com o Ministério Público, mas acabou negociando diretamente com a PF.

Segundo o jornal, o acordo para a delação foi acelerado nos últimos dias e os investigadores já teriam colhido os depoimentos de Palocci. A colaboração, assim como os termos dos benefícios que serão concedidos ao ex-ministro, ainda precisam ser homologados pela Justiça.

Em depoimento ao juiz Sérgio Moro prestado em setembro do ano passado, Palocci falou em um “pacto de sangue” da propina, que envolveria o ex-presidente Lula. Segundo ele, a Odebrecht repassaria R$ 300 milhões ao PT. “Emilio Odebrecht fez uma especie de pacto de sangue com o presidente Lula.

Ele procurou o presidente Lula nos últimos dias de seu mandato e levou um pacote de propinas que envolvia esse terreno”, falou na ocasião, sobre o sítio em Atibaia.

Anúncios

ROCHA LOURES…… HOMEM DO TEMER LEVOU UM ANO PARA ‘ACHAR’ UMA EXPLICAÇÃO DA “MALA COM 500 MIL REAIS”….

” ROCHA LOURES QUER ABSOLVIDO  SUMARIAMENTE….JÁ URGENTE….PODE  ISSO ?  “

ROCHA LOURES (PMDB)…..O “FAÍSCA ATRASADA” DE UM ANO ALEGA, TIPO ASSIM:    “UÉ…UÉ…DINHEIRO NA MALA ?  EU NÃO SABIA” …..A coisa está tão feia no país em termos de cinismo e ausência total de ética nos políticos e ladrões da República, que chega-se a conclusão de que a frase que mais explica no momento este assombro de corrupção, é a frase:….“-MORRO E NÃO VEJO TUDO”…..então enquanto vivo veja esta frase do ex-deputado ROCHA LOURES (PMDB – PR), que como um anjo inocente está alegando, após um ano, que não sabia que tinha dentro de mala voadora (na corridinha dele),  só 500 MIL REAIS…..(Ref. Gazeta do Povo)…..

 

 

 

 

Um ano depois do flagrante, Rocha Loures diz: “não sabia que havia dinheiro na mala”

Em peça de defesa obtida pelo jornal O Globo, ex-assessor de Temer alega inocência e pede anulação das provas, como a famosa filmagem da corridinha dele com a mala de R$ 500 mil

 | Dida Sampaio /Estadão Conteúdo

Dida Sampaio /Estadão Conteúdo

 

Dez meses depois do famoso episódio em que ficou conhecido como o “homem da mala”, o ex-assessor do presidente Michel Temer e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures se diz inocente. Em petição de 49 páginas encaminhada em fevereiro à Justiça Federal de Brasília e obtida com exclusividade pelo jornal O Globo, Rocha Loures alegou não saber que havia dinheiro na famosa mala com R$ 500 mil filmada em ação controlada da Operação Patmos, no dia 28 de abril de 2017, em São Paulo.

O ex-deputado chegou a ser preso no episódio, em junho de 2017, após as delações premiadas de executivos da JBS virem à tona.

Na peça de defesa, o ex-deputado afirma que recebeu a mala do delator Ricardo Saud, ex-executivo da J&F, “sem saber qual era seu conteúdo” e disse que “desconhecia quaisquer acertos, pagamentos e condições” relacionados à mala.

Mas gravações feitas pela Polícia Federal indicam o contrário, segundo O Globo. Em uma das conversas gravadas por Saud antes de se encontrar com Rocha Loures em uma pizzaria para entregar a mala de dinheiro, o delator afirma: “Você, por ter nos ajudado, já tem quinhentos mil guardadinho. Tá guardado comigo em casa e eu não quero ficar.” Loures responde, de acordo com a transcrição da PF: “Tá.”

Na denúncia apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) acusou Loures de ser um “longa manus” de Temer, que teria encarregado o ex-assessor apenas de buscar a mala e entregá-la a seu destinatário final, o presidente da República. Temer chegou a ser acusado de corrupção passiva no caso, mas livrou-se de responder ao processo, pelo menos até dezembro de 2018, após a Câmara rejeitar a denúncia da PGR.

Rocha Loures defendeu Temer no documento, afirmando que não houve comprovação de que a mala seria para o peemedebista. “O simples fato de Rodrigo ter exercido a posição de assessoria do presidente não caracteriza concretamente o acerto de vontades para o cometimento de ilícitos. Afinal, a presidência da República conta com diversos assessores, sendo pouco razoável presumir que, ao exercer um cargo próximo ao chefe do Executivo, esses profissionais estão automaticamente anuindo com toda e qualquer ação do presidente da República”, diz a defesa.

Na petição, o ex-deputado se furta de esclarecer outros pontos do controverso flagrante: ele não explica por que correu com a mala, não diz por que devolveu os R$ 500 mil recebidos, nem por que estavam faltando R$ 35 mil, tampouco entra em detalhes sobre o assunto.

 

 

 

 

Rocha Loures se tornou réu do caso em dezembro do ano passado, quando o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, aceitou o recebimento da denúncia. A defesa dele pede que sejam anuladas as provas da Operação Patmos, argumentando que as interceptações telefônicas e a ação controlada foram ilegais, e que Loures seja absolvido sumariamente.