COMO SE ELEGER? O SEGREDO.

Em 1988 o Roberto Requião era o prefeito de Curitiba, e no mês de novembro houve eleições para vereadores e para prefeito de Curitiba, ocasião em que fui indicado pelos cinco diretórios zonais do PMDB de Curitiba, com mais de 28 mil filiados, como secretário da campanha eleitoral do então candidato do PMDB a prefeito de Curitiba,  o deputado federal, Mauricio Fruet, de saudosa memória.

Mauricio Fruet, foi um personagem que se destacou no cenário da política do Paraná, pela sua popularidade e seu alto senso de humor.

Durante a campanha política e nas andanças pelos bairros de Curitiba,  o Mauricio fazia questão de sentar-se no carro,  na frente ao lado do motorista, pois assim sentia-se mais à vontade para acenar ao povo, quando então distribuía seu largo e sincero sorriso. Chorei no seu velório. Ele era o que se chama popularmente,“um figuraço”.

Nestas andanças, um dia, em esquina lá pelos lados do bairro Batel, um cidadão olhou para o Fruet, e  parece que ficou na dúvida se o reconhecia ou não.

Fruet, ficou matutando, tipo assim: “Ué, será que ele não me reconheceu”?

Em seguida olhou para trás e perguntou-me: “Lineu, o que será que leva um cidadão a decidir seu voto por um candidato”?

Respondi-lhe que esta pergunta era de difícil resposta e, entretanto fiquei inculcado com esta pergunta do Mauricio Fruet, passei a “bolar” uma resposta., e após mais de um ano de raciocínio e pesquisa nas planilhas dos resultados dos votos das eleições, notadamente proporcionais (vereadores e deputados), e usando o método do “geral para o particular”, consegui classificar o perfil dos candidatos eleitos, dos mais votados aos menos votados,  buscando um perfil de suas respectivas inserções sociais e nível de influência na decisão do voto do eleitor, de onde pude estabelecer uma tabela de nível de eleitos de 1ª. até 6ª. categoria, como chances de se ganhar a eleição, cuja tabela por ordem de importância pode ser assim classificada:

1ª. Categoria. Candidatos da Fama.

 

A primeira e maior chance  de eleição, está com os candidatos famosos na sociedade, que atuam na mídia do rádio ou televisão, onde se incluem atletas, comunicadores, cantores ou atores, desde que famosos junto ao povão e que detenham alta aprovação no índice de audiência de seus programas ou apresentações.

Aqui em Curitiba e no Paraná, temos diversos exemplos históricos de eleitos nesta categoria de comunicadores; Luiz Carlos Martins, Carlos Simões, Íris Simões, Algaci Túlio, Ratinho (o pai e o filho), Jocelito Canto, Marcelo Rangel (de Ponta Grossa), Alborgueti, Barbosa Neto e Belinati (de Londrina), e seguem tantos outros, sempre bem votados a exemplo do radialista “Pinga Fogo”, famoso em rádio no norte do Paraná, que se elegeu deputado federal. Renunciou seu mandato em grande estilo. No Plenário da Câmara Federal ele era mais um dos mais de 500 deputados federais.

No País tivemos exemplos clássicos de eleitos com tranqüilidade com o uso da fama, como o cantor Moacir Franco, que se elegeu deputado federal só uma vez  e se arrependeu amargamente da experiência.  Aguinaldo Timóteo também se elegeu e continua na política. Ficou famoso quando mandou um “tcháu” para sua mamãe em plena entrevista em Brasília.

2ª. Categoria. Candidatos da Grana.

 

Neste patamar está a turma que compra votos na eleição. É a turma da “grana” que se elege a peso de ouro. Esta categoria de candidato tem que ter muito dinheiro mesmo, pois o retorno do “investimento” em nível de votos ronda mais ou menos vinte por cento, ou seja; para cada cem votos comprados dá para contar com uns vinte votos na urna. Este jogo é pesado.

Alguns buscam preencher o espaço vazio de suas vidas, outros buscam proteção da lei (com a imunidade parlamentar), para postergarem condenação na justiça, até por sonegação fiscal e outros crimes graves.

Aqui em Curitiba, tivemos exemplos marcantes com uma candidata a vereadora (milionária), e um candidato irmão de outro milionário com alto poder de fogo no poder legislativo do Paraná, que sem trabalho nenhum junto ao eleitorado, elegeram-se com votação média, com altos investimentos em cabos eleitorais, larga folha de auxiliares (lideranças de bairros), e até presentes (relógios de parede), para as donas de casa com bonita mensagem, e muita reunião com a famosa “lingüiça de campanha”, de terceira qualidade e bem barata.

Acompanhei pessoalmente um caso destes. Um grande empresário de Curitiba (já falecido), se elegeu a deputado federal e desancou a gastar grana a granel na campanha. Tinha que se eleger para se livrar de processos em andamento na Justiça.

Durante a eleição, fui a uma igreja na região norte de Curitiba e levei um susto! Ao lado da Igreja tinha surgido uma construção enorme de um grande ginásio de esportes que nasceu da noite para o dia.  Perguntei aos amigos da região; “que milagre era aquele”?  A resposta foi curta e grossa. O líder da igreja tinha feito um acordo com o dito candidato para a comunidade votar nele em troca do ginásio!  E assim foi feito o acordo, cumprido por ambas as partes.

O candidato se elegeu foi para Brasília, nada fez pelo Paraná, e passou a ser protegido pela “imunidade parlamentar”, que era o que buscava para usar o cargo e negociar os impostos que devia para o Governo Federal e Estadual, sem ser processado, é óbvio que colocou seu voto na Câmara à disposição do Governo.

3ª. Categoria. Candidatos de Proposta Ideológica e Programática.

 

Neste patamar se encontram os candidatos que deveriam estar no 1º. Patamar, pois são os candidatos que acreditam em uma proposta política que é veiculada e propagada durante anos e anos. Demoram a convencer os eleitores já que seus nomes são construídos ao longo de anos. Perdem muita eleição até convencer o eleitor, pois a mídia pouco espaço lhes dá.

No Paraná tivemos exemplos nos nomes de ex-deputados federais, Alencar Furtado e Hélio Duque. O Requião é um típico exemplo, pois sempre vendeu a idéia da moralidade pública. No PT diversos nomes estão nesta categoria, tais como o deputado Rosinha, o Vanhoni e tantos outros.. No País incluímos o Lula que peregrinou pelo Brasil todo, até vencer a eleição para Presidente da República.

4ª. Categoria. Nome famoso.

 

Esta chance de se eleger é para poucos, pois exige que o candidato tenha um pai ou tio famoso e popular que possa transferir seu prestígio para o parente próximo, filho, irmão, neto ou sobrinho.

Em Curitiba o exemplo mais clássico é do Vereador Derosso, que dominou os votos do Alto Boqueirão por décadas, com bom trabalho,  até  que resolveu se aposentar e lançou o filho João Cláudio Derosso na sua sucessão. Muitos eleitores votaram no filho, pensando que votavam no pai, Derosso. O filho Cláudio se firmou e se consolidou.

O Beto Richa, prefeito de Curitiba, na sua primeira candidatura a vereador (foi 1º. Suplente), pegou carona no nome do pai, o ex-governador José Richa. Isto aconteceu com o Gustavo Fruet, (no prestígio do pai Maurício), com o Ratinho Junior (no prestígio do Pai Ratinho).

Há alguns casos de que o filho não emplacou, o que põe em dúvida  o poder de transferência do voto do pai, que embora famoso, não pode estar desgastado. Temos também que considerar que o “afilhado”, tem que corresponder durante a campanha a um mínimo do que espera o eleitor dele. Caso contrário, mesmo famoso o nome do pai, o “afilhado” poderá não chegar ao poder.

Em Curitiba, o filho do dono de uma rede de televisão não se elegeu a vereador.

5ª. Categoria. A Raridade do Milagre.

 

Quando acontece este fenômeno a eleição é favas contadas. É o chamado milagre ou fenômeno na eleição.

Em nosso Estado, dois casos merecem destaque na categoria “milagre”, e que provam a certeza deste ensaio.

Quando o prefeito Jaime Lerner (ARENA), em 1978 fez a reforma do centro de Curitiba, o Pedro Lauro, era dono de uma banca de revistas na Praça Tiradentes e perdeu a concessão.  O Pedro Lauro, inconformado, saiu por toda Curitiba, criticando a gestão de Lerner e, como era ano de eleição o pessoal do MDB, adversários ferrenhos de Lerner,  lançaram o Pedro Lauro, como candidato a deputado federal, dando-lhe o maior apoio de mídia.

Era o ano da virada contra a Ditadura Militar de 1964 que mandava no País, e não deu outra, o MDB teve tantos votos de legenda, a ponto do Sr. Pedro Lauro, se eleger com uns míseros 3.400 votos.   Pedro Lauro foi o candidato do “milagre”.

Outro exemplo foi o do Sr. Osvaldo Alencar Furtado, que era irmão do famoso deputado federal Alencar Furtado, que fazia uma dobrada com seu filho (candidato a deputado estadual) pelo PMDB em 1983, o jovem advogado Heitor Alencar Furtado, militante  do então clandestino PC do B, o qual foi assassinado no Norte do Paraná em plena campanha.

Heiitor, foi substituído na chapa do PMDB, pelo seu tio o Sr. Osvaldo Alencar Furtado, que se elegeu com expressiva votação nesta carona de um “milagre”, pela morte de  seu sobrinho.

6ª. Categoria. Candidatos do Rebolo.

 

Em último lugar se elegem os candidatos que possuem uma parcela de cada um dos itens acima, ou seja; possuem um pouco de fama pelo menos na sua inserção profissional, aparecem um pouco na mídia.

Possuem ou conseguem alguma grana para sustentar sua campanha política.

Conseguem se inserir de algum modo em movimento de caráter social, com proposta ideológica.

Possuem nome de família respeitável na comunidade.

Contam com uma ajuda quase milagrosa, como é o caso de um candidato que se filia em um partido de médio porte, sem candidatos de alta votação, e se elegem proporcionalmente com baixa votação, e assim chegam na disputa das últimas vagas, ou seja, ficam no “rebolo”, quando podem perder a vaga (morrer) por poucos votos. “Rebolo”, é uma caixa de madeira redonda, com tampa em cima, onde se colocam dois galos de briga que empataram, até que um seja morto.

Os demais candidatos que não se enquadram nestas categorias, seguramente serão classificados como suplentes, e seus votos só servem para ajudar os privilegiados candidatos encaixados nestes seis critérios.

É necessário registrar que os já eleitos e com mandatos, voltam sempre aos seus cargos, na proporção de 60% até 70% da composição de sua casa legislativa, pois estão em campanha permanente durante os quatro anos de sua legislatura.

Estas são as variáveis que dão a certeza de uma eleição em campanha política. É só guardar este artigo e conferir o resultado da próxima eleição.

Este ensaio esteve rascunhado na gaveta ao longo dezenove anos, tempo em que continuei a observar os demais resultados das eleições, e eles continuam balizando para estas seis variáveis de possibilidades de um candidato se eleger, num País que ainda tem 72% de sua população classificados como “analfabetos funcionais”, de acordo com os critérios das Nações Unidas.

Nossos políticos eleitos refletem a média cultural do nosso povo, o qual ainda vota com critérios de “desconstrução” do exercício da cidadania.

No momento é o que temos em nossa realidade como resultado de nosso estágio cultural, em fase de frágil democracia.

OBS: Este é um ensaio de sociologia política.

45 responses to this post.

  1. Posted by POTY LINS on Maio 26, 2010 at 4:46 am

    Muito bom seu breve histórico sobre política,Vc esta aí a tempo e é testemunha ocular desses acontecimentos.você como candidato não vai contar com esses parentes famosos,mesmo porque você não tem.Vai contar só com você e sua plataforma de trabalho.Sucesso a vc e sei que vamos ganhar muito com seu debate e conhecimento,inclusive use na sua campanha uma frase feliz e oportuna que você disse aqui no blog
    PAIS RODOVIARISTA SEM RODOVIAS e ainda com pedágios caros, avante amigo Lineu “rumo a vitória” .

    Responder

    • Muito animador! Depois de 18 anos, penso em me candidatar pelo PV de SP, a vereador. Acho que me encaixo no “rebolo”. Sou idealista, sonhador…Mas, com os pés no chão…Obrigado por disponibilizar a pesquisa. Parabéns!

      Responder

  2. Posted by Renato on Setembro 1, 2010 at 11:06 am

    Muito bom adorei essa classificação e vou verificar na próxima eleição.

    Responder

  3. Posted by Luiz on Setembro 30, 2010 at 6:27 pm

    Excelente explanação. E como o Sr mesmo mencionou, 72% das população que lerão este artigo não vão entender o conteúdo. Estas mesmas pessoas talvez continuem vendendo seus votos ou votando em alguém famoso somente por ser famoso. A máquina gira e as mesmas pessoas continuam no poder.

    Um abraço,

    Responder

  4. PARABENS!!É QUE MUITOS DE NOS ENTENDEMOS QUANDO SE PARA PRA PENSAR, E FACIL ENTENDER PRA QUEM QUER ENTENDER. MAIS O QUE A GENTE NAO ENTENDE, E PQ QUE AS PESSOAS NAO PARA PRA PENSAR.

    Responder

  5. Posted by Adriano on Abril 20, 2011 at 9:30 am

    adorei essa linçao nossa amei mesmo espero que todos tenhão gostado parabens ,,,LINEU TOMASS ,,,,

    Adriano belchior

    Responder

  6. Posted by sebastião sérgio miranda on Junho 10, 2011 at 2:03 pm

    LINEU, GOSTEI DEMAIS DE SEUS ENSINAMENTOS, PENA QUE SOU TOTALMENTE DESCONHECIDO E NÃO POSSO USAR NENHUMA DESSAS SUGESTÕES PROVADAS PELA HISTÓRIA.
    TUDO É VERDADE QUE ACABEI DE VOTAR EM RAFAEL ALENCAR FURTADO PARA PRESIDENTE DO SISMMAC SÓ PELA FELIZ LEMBRANÇA DO VELHO E FAMOSO ALENCAR FURTADO, FILHO HEITOR ALENCAR FURTADO ASSASSINADO E AINDA PELO IRMÃO OSWALDO. PENSEI: ESSE CABRA DEVE SER BOM, SE TEM GENTE DAQUELE PORTE NA VIDA. TENHO LEMBRANÇA DO DIA QUE FOI CASSADO O VELHO ALENCAR PELO AI 5.

    SEBASTIÃO SÉRGIO MIRANDA

    Responder

  7. já me candidatei tres vezes e vou para a quarta tentativa , sendo que na segunda vez fiquei como primeiro suplente, gostei desta analise e creio que estou na terceira categoria. Meus parabens pela analise. DARCI TAVARES – LAVRAS MG.

    Responder

  8. Lineu, sou seu leitor e gostei da análise sucinta, porém sem permitir que a concisão prejudique a extensão da mensagem.

    Bravo, aliás, como sempre!

    Aragão Filho – Umuarama

    Responder

    • Posted by VERA DA PENHA on Julho 8, 2012 at 9:51 pm

      Sou uma candidata, de muitas eleições e pela segnda vez estou desputando a vereança. Ocupe o Cargo de secretária municipal de cultura, atuo em movimentos populares na minha cidade, não tenho recursos financeiros para bancar essa candidatura, porém existem algumas promessas de apoio.

      Responder

  9. Posted by rogerio freitas on Outubro 19, 2011 at 3:14 pm

    Isso ai brother ! parabens

    Responder

  10. Posted by mara salete moura da silva on Janeiro 8, 2012 at 6:40 pm

    PARABENS, SEREI CANDIDATA PELA PRIMEIRA VEZ A UM CARGO ELETIVO.
    APÓS AS ELEIÇÕES EM 07/10/2012, RETORNAREI A ESTA MENSAGEM PARA LHE PARTICIPAR MINHA CATEGORIA NA SUA ANÁLISE.
    OBRIGADO PELA OPORTUNIDADE. MARA, R GRD DO SUL

    Responder

  11. Bom dia meu nobre Lineu.
    Sua explicação para o assunto é excelente, mesmo o Brasil sendo a 6ª maior economia mundial, muita coisa precisamos aprender.
    Uma delas, das muitas que precisamos é..Aprender a fazer política neste país, deixar de lado os nomes famosos que se apossaram das cadeiras na esfera política e passam de pai para filho o comando político,aprender a votar.Votar na esperança de melhorar o país, o estado o município e não vender ou se vender por uma cesta básica ou uma promessa de emprego.Melhorar o grau de educação das pessoas, melhorar suas vidas para que vivam com dignidade e não de favor.
    A esperança é imortal meu nobre.
    Um dia isso mudará.
    Abraços

    Responder

  12. Posted by nivaldo braga on Janeiro 21, 2012 at 8:18 pm

    tudo bem lineu ? gostei oque eu li nesta coluna . sou pre candidato a vereador em curitiba .e me encaixo em uma dessas categorias . sou apresentador do programa classificados troca troca na radio colombo . ou classificados da super colombo .das 20-00 as 21-00 hs ja atendi no ar mais de dez mil ouvintes por ano partiu dos ouvintes o apoio . um abraço do nivaldo braga

    Responder

  13. Posted by Francisco Mira on Fevereiro 5, 2012 at 8:46 am

    Lineu, gostei da sua analise, concordo plenamente, sou eleitor e observo que a maioria vota em quem conhece, mesmo que seja só através da mídia.Acho que a pergunta: O que leva um cidadão a decidir seu voto por um candidato? Alem do perfil do candidato tem outros fatores, eu como cidadão posso ter dezenas de votos:
    ° voto de fã (artista, humorista, atleta, radialista,politico, estar na midia)
    ° voto de gratidão (aquele que já me ajudou)
    ° voto pela proposta (proposta de trabalho, proposta de governo)
    ° voto pela religião (faz parte da minha religião)
    ° voto de amizade e simpatia ( conheço e gosto do candidato)
    ° voto de família ( é primo,é tio, é irmão e família)
    ° voto de protesto ( é contra o que esta aí – pior não vai ficar – é pra ficar pior)
    ° voto de categoria ( luta pelos aposentados, luta pelos metalúrgicos)
    ° voto calor humano ( ele me cumprimentou, ele me abraçou)
    ° voto recompensa por perda ( vou dar uma força, coitado, já é a quarta candidatura)
    ° voto do galã ou musa ( é bonita, é lindo)
    ° voto de barganha ou troca ( se ganhar eu ganho, vai fazer)
    ° voto cabo eleitoral ( estou ajudando meu amigo cabo eleitoral, me pediu)
    ° voto de luta ( a anos vem lutando por esta causa)
    ° voto de respeito (é doutor, tem dinheiro, é importante)
    ° voto propaganda (essa musiquinha não sai da minha cabeça, só gravei esse nº)
    ° voto santinho ( achei o santinho no caminho da votação)
    ° voto comunidade ( mora no meu bairro, na minha cidade)
    ° voto partido ( esse é do meu partido)
    °
    Sem duvida, cada eleitor busca o melhor, cada pessoa tem seus valores, e a politica cada vez nos decepciona mais. Na hora de escolher é a soma de vários tipos de voto que ira definir o candidato ideal
    Espero ter somado. FranciscoMira

    Responder

  14. Posted by Luiz Antonio Morais on Março 6, 2012 at 11:05 am

    Olá Dr. Lineu, MEu Nome é Luiz Morais, pré Candidato a Vereador de Curitiba pelo PTdoB, tive a oportunidade de estar em 2 encontros com o Sr. mas não a oportunidade de pescar um pouco do seu conhecimento, adorei sua colocação dos tipos de candidatos, e com certeza vou estudar muito para poder chegar com reais chances de vencer. Abraçosss e que Deus nos Abençoe

    Responder

  15. Posted by jussara on Março 26, 2012 at 12:49 pm

    Bom dia?Vou me candidatar a vereadora da minha cidade com pouco mais de 7 mil habitante por favor,quero ajuda!!!

    Responder

  16. Posted by Mara Martins on Março 27, 2012 at 6:43 pm

    “Possuem ou conseguem alguma grana para sustentar sua campanha política”.
    Boa tarde Dr. Lineu Tomass.
    Sua experiência e vivência é magnifica!
    Um pequeno empresário, em Colombo, o qual pretende entrar como candidato à vereador e eu, mesmo sem seu conhecimento, mas cheia de boas intenções e disposta a “dar a cara”, serei o “braço direito”, pois gosto do contato com o publico, adoro política e me animo com a idéia de “fazer acontecer”!
    Porém a pergunta que não quer calar é: “O PARTIDO DÁ APOIO FINANCEIRO? QUE BASE DE CALCULO É FEITO PARA SABER O VALOR À SER LIBERADO?
    Aguardo seu retorno e deixo o meu mais sincero agradecimento.
    Mara Martins

    Responder

  17. Boa Noite Dr. Lineu.

    Concordo em 90% em relação aos candidatos de acordo com a classificaçãopesquisada. Em minha opinião, está faltando uma de grande importância, Cadidato da esperteza política e mentiroso. Largamente utilizada pelo atual governador do Paraná. Ou seja registrou em cartório a sua campnha municipal prometendo cumprí-la, e não cumpriu. Assumiu publicamente que não iria previtizar a saúde e foi uma de suas primeiras ações, usou o judiciário para não publicar pesquisas desfavorável, ou divulgar as suas atitudes contraditórias, o que levou à ganhar as eleiçoes municipal e estadual.

    Responder

    • Posted by PREBIANCA on Dezembro 28, 2012 at 11:36 am

      Mas este está na categoria “filho de famoso”. Só se elegeu nas costas do Pai, o saudoso “Turcão”… e graças aos ignorantes que achavam que estavam votando no pai…

      Responder

  18. Posted by higino on Julho 4, 2012 at 6:44 am

    com esta explicação não é dificil notar o a grande falta de conhecimento de nossos eleitores, estes se esquecem muito rapido dos fatos que ocorrem com nossos politicos, este corruptos, vivem de seus mandatos simplismente para fazerem suas falcatruas, sou de belo horizonte e creio em toda esta explanação sua. obrigado.

    Responder

  19. Posted by ALEXANDRA RIBEIRO on Julho 9, 2012 at 1:18 am

    VOU CONCORREA A VEREADORA DA MINHA CIDADE PELA PRIMEIRA VEZ,GOSTARIA QUE ME DESSE ALGUMAS DICAS. QUERO TRABALHAR COM O POVO CARENTE QUE NA MINHA CIDADE ESTA ABANDONADO. MEU EMAIL E ALETRAMANDA@HOTMAIL.COM. SE PUDER ENTRAR EM CONTATO POR EMAIL TE AGRADEÇO. ALEXANDRA

    Responder

  20. Posted by celso on Julho 17, 2012 at 6:05 pm

    Sou candidato a vereador de minha cidade pela primeira vez,desputo contra o atual prefeito e vereadores ,pessoas poderosas com muito dinheiro dispostos a comprar tudo” ja estao no poder a 16 anos”minha cidade esta abandonada tem tudo mais nao funciona nada ex:tem posto ,mais nao tem remedio……quero abrir os olhos do povo e ajudar minha cidade ,mais como combater o dinheiro arma fatal em uma campanha sou pobre de familia umildi,sou destaque na cidade meu apelido e forte todo mundo me conhece; mas como ganhar a confiança desse povo que sera comprado com dinheiro????gostaria de alguas dicas se eu andar pelo caminho certo tenho grandes chances .(meu apelido e makuco e sera assim na campanha meu email é cr_kuco@hotmail.com)

    Responder

  21. Posted by valdelice sousa on Agosto 8, 2012 at 12:27 am

    Eu, Valdelice sousa, cadidata a vereadora da cidade de Eldorado do Carajás -PA e gostei muito desse artigo…. espero contar com sua ajuda dei me sujestões o mais dificil é que não me sinto bem pra falar em publico….vou agradecer

    Responder

  22. sou candidata pela primeira vez moro numa cidade pobre e pretendo ajudar as pessoas carente do municipio,ja trabalho de agente de saude ,sei as necessidade de cada um o que devo fazer.envie uma mensagem para meu email.

    Responder

  23. Posted by fernanda on Setembro 25, 2012 at 11:27 am

    oiiii gostei muito de saber como se elegem caandiidatooos akiii aprendii umm pouquiinhoo

    Responder

  24. Posted by Tigerface7 on Outubro 5, 2012 at 3:55 pm

    Parabéns ,excelente e lúcida explanação estes fatos versam sobre a realidade ,sem tirar nem por ,Paz!!!

    Responder

  25. Posted by mauro neiva on Novembro 9, 2012 at 11:25 am

    gostei muito dessa analisse dr lineu irei me candidatar em 2014 mauro neiva curitiba parana brasil

    Responder

  26. Escrevi um livro sobre o tema, embora não tenha sitado em meu livro tais comentários, acredito que o Dr. Lineu foi bem franco e sincero, na prática não foge muito do que ele menciona. Meu livro foca atitudes para ser um bom candidato, aos interessados procurem na livraria http://www.livrariacatarinense.com.br/ ou em meu blog http://www.danielhippler.com.br pelo livro “O SEGREDO DA POLÍTICA”.

    Responder

  27. Posted by NEUSA MACIEL on Outubro 23, 2013 at 4:48 pm

    muito interessante a resposta que você encontrou depois de muito tempo, vai me ajudar muito, pretendo me candidatar nas eleições de 2014.

    Responder

  28. Posted by Paulo on Outubro 29, 2013 at 5:29 pm

    sou pre candidato adp. fereal so nao sou conhcecido como faço fazer minha campanha alguem me da uma opiniao ?

    Responder

  29. Posted by Bispo Portinari. on Fevereiro 12, 2014 at 10:12 pm

    Pré-candidato a deputado, tenho um conhecimento como pessoa amigo, como faço para que eu seja visto como pré-candidato e entrar com pé quente gostaria de ter uma ideia de alguém… aguardo!

    Responder

  30. Posted by Bispo Portinari on Março 13, 2014 at 2:50 pm

    Pré-candidato a deputado (sou negro), tenho um conhecimento como pessoa amigo, como faço para que eu faço, para fazer uma pesquisa e divulgar meu nome como pré-candidato e entrar firme na campanha eleitoral gostaria de ter uma ideia de alguém… aguardo!

    Responder

  31. Pré-candidato a deputado (negro), necessariamente não precisará defender a bandeira dos afrodescendentes brasileiros, mas tem esse caminho que deverá existir mais pessoas para resolver essa questão racial, sem essa de “bolsa”, mas de maneira aplicada e inteligente, quando todos sabemos qua maioria da nossa população é negra. Agora para você aparecer na pré-candidatura, no meu entender, é participar de eventos, reuniões em escolas =, hospitais, ongs, associações sindicatos ou simplesmente contratar um assessor de imprensa. Associações de moradores, de bairros ou o contato direto com povo, no sentido de procurar saber quais as necessidades presente à população… O que eles sugerem para melhorar a vila, e etc… poderá ser o caminho… Procura jornais ou revistas locais para se apresentar e pede para que o apresente como um pré-candidato e divulgue o seu projeto à população através deste veículo.

    Responder

  32. Parabéns!!! Essa pesquisa é super interessante. Li o livro do Emoções Ocultas e nele fala das estratégias usadas nas campanhas e etc, porém faltou essa pesquisa para ilustrar mais ainda o as Estratégias Eleitorais.

    Responder

  33. Posted by maicol on Julho 18, 2014 at 7:43 pm

    PESQUISA MUITO INTERESSANTE, SOU CANDIDATO A DEPUTADO ESTADUAL PELO RS E ACREDITO QUE ME AJUDOU BASTANTE. O PROBLEMA NO BRASIL É QUE AS PESSOAS NÃO TÊM CONHECIMENTO SOBRE O QUE É REALMENTE POLÍTICA. VOTAM NOS MESMOS POLÍTICOS POR COMODIDADE,E OS MOTIVOS QUE ALEGAM PARA VOTAR NOS MESMOS É PORQUE É BONITINHO,PARECIDO COM ALGUM ARTISTA OU ATÉ MESMO SÓ PORQUE PEGOU UM SANTINHO NO CHÃO NA HORA QUE IA VOTAR,PARTINDO DESTE PENSAMENTO QUE TIPO DE POLÍTICA SERÁ FEITA. ABRAÇO!

    Responder

  34. Muito bom, você colocou a realidade de nosso pais. Tenho interesse em sai candidata em 2016 e não tenho dinheiro, nem padrinho, pai ou mãe politica, o que você acha?

    Responder

  35. Posted by JORGE PONTES KOIDE on Agosto 21, 2015 at 7:14 pm

    parabéns pela pesquisa, isso contribui bastante para entendermos a lógica da eleição, o correto é votar pelas propostas apresentadas em campanha, mas isso sempre fica em segundo plano, sendo assim, vou me candidatar em 2016 a vereador pelo Município de Parintins/AM. não tenho grana, não sou famoso,nem parente de artista ou politico; ainda bem que isso não é pre-requisito, sou professor de química e tenho 43 anos. Vou analisar com atenção essas dicas e traçar minhas metas. obrigado pelas dicas.

    Responder

  36. Posted by Aldo Luís on Agosto 27, 2015 at 2:26 pm

    Excelente artigo. É mais ou menos por aí. Participo ativamente da vida pública. Gostaria de receber mais artigos sobre política.
    Abraços.

    Responder

  37. Posted by joarez de lima on Fevereiro 25, 2016 at 11:36 am

    excelente artigo pra min que estou engresando agora na carreira politica gostaria de ler mais sobre isso valeu obrigado

    Responder

  38. Posted by cleusa belgo ferraz on Junho 20, 2016 at 4:49 pm

    Muito bom, você colocou a realidade de nosso pais. Tenho interesse em sai candidata par vereadora em 2016 e não tenho dinheiro, nem padrinho, pai ou mãe politica, o que você acha?

    Responder

  39. Posted by ivonete farias on Outubro 16, 2016 at 12:08 pm

    Sou locutoura de radio comunitaria , este artigo é emportante para meu trabalho

    Responder

  40. Posted by Thiago on Fevereiro 16, 2017 at 4:45 am

    3ª. Categoria. Candidatos de Proposta Ideológica e Programática.
    Parei de ler ai!!! Belos exemplos o senhor deu, olha como o tempo eh o senhor da razao..

    Responder

  41. Posted by pedro poeta on Junho 26, 2017 at 12:40 pm

    Pedro Poeta. Tens razão Lineu mas seu voto é meu proposta do futuro Dep. Federal Pedro Poeta o amigo da hora certa. Brasília-DF.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: