Archive for Outubro, 2017

ZÉ DIRCEU (PT)… O INCENDIÁRIO. APÓS PERDER APOIO POPULAR O GURU DO PT JOGA NO CONFRONTO CONTRA AS FORÇAS ARMADAS…..

 

 

 

José Dirceu esnoba líderes das Forças Armadas e atiça o ódio dos militares

Ex-ministro fez duras críticas a generais e disse que eles pensam apenas no poder.
José Dirceu esnoba líderes das Forças Armadas e atiça o ódio dos militares

O ex-ministro da Casa Civil do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, José Dirceu, escreveu uma carta criticando duramente os líderes das Forças Armadas brasileiras. Com fortes palavras, ele mencionou o general Villas Bôas, atual comandante do Exército e os generais Mourão e Heleno.

Após ‘atacar’ também o deputado federal Jair Bolsonaro dizendo que ele é homofóbico, violento, o ex-ministro fez declarações de que novos candidatos estão surgindo dos quartéis. Condenado pela Justiça e alvo de várias denúncias sobre participação em esquema criminoso de recebimento de propina, ele tenta levar as pessoas a acreditar que os Militares só propagam a violência e seria um erro darem apoio a esses generais que inflamam o ódio.

Indo contra as insinuações do ex-ministro, os generais Mourão e Heleno nunca se propuseram a disputar as eleições e já falaram que não pretendem concorrer a nenhum cargo. Claro, que existem alguns militares que pretendem entrar na vida política e como cidadãos, eles têm totalmente esse direito.

De acordo com seu texto, Dirceu chegou a dizer que o general Villas Bôas chegou a escorregar ao não punir as palavras de intervenção militar ditas por Mourão. E afirmou que os militares devem zelar pelas Fronteiras do país, pela Amazônia, caso contrário, serão policiais a serviços de facções, que querem o poder de qualquer jeito.

Indignação de militares
No site “Revista Sociedade Militar”, as declarações do petista não pegaram bem e surgiram vários questionamentos contra ele.

Como pode alguém falar em facção, em referência àqueles que disputam o poder, se o partido dele está desesperado para voltar ao Palácio do Planalto.

Sobre projeto de nação, isso sempre foi defendido pelas Forças Armadas e um dos desafios é de se distanciarem de partidos políticos.

Críticas ao comunismo
O militar Robson A. Silva, responsável em divulgar a matéria da “Revista Sociedade Militar”, afirmou que Dirceu está completamente fora de entender realmente o que acontece dentro das Forças Armadas. Segundo o militar, o povo está sendo ameaçado por maus brasileiros e pelo comunismo e os militares estão preparados para que isso não aconteça.

Diferentemente de políticos corruptos, o militar ressaltou que aqui não existe rabo preso.

O trabalho das Forças Armadas é muito respeitado e é uma das instituições que mais possui confiança do povo brasileiro. As declarações de Dirceu foram repudiadas, ainda mais vinda de alguém que tem problemas na Justiça.

Anúncios

O “AGOSTINHO” ATOR PEDRO CARDOSO DA GRANDE FAMÍLIA….TEM RAZÃO…

PERSONAGEM DO SERIADO,   “A GRANDE FAMÍLIA”(TV GLOBO),  EXPLICOU A ORÍGEM DA  CRISE  DO SUFOCO PELO QUAL VIVE O BRASILEIRO……  Recebi pelo facebook esta publicação abaixo do  IPEA, que calculou o quanto o brasileiro gasta do bolso em segurança, segurança esta QUE O ESTADO (FALIDO),  DEVERIA OFERECER E  SUPRIR, PORÉM NÃO O FAZ, o que obriga o brasileiro a fazer e patrocinar sua própria segurança…..O  ator  “Agostinho”, vivendo em Portugal, em entrevista recente no Brasil, matou de pau a explicação do porque  o brasileiro busca ficar rico aqui…..É para suprir o que o Estado Brasileiro perdulário lhe nega…..Em Portugal,  lá vivem mais de 80mil brasileiros…(Ref. UOL)….. 

 

  ” Segundo o Ipea o cidadão Brasileiro gasta R$1.810 reais para suprir o gasto em Segurança. 7 mortos p/hora 372 bilhões/Ano 6% PIB “

Morando em Portugal, Pedro Cardoso fala sobre ‘desespero brasileiro’

 

 

Ator conhecido do público como o Agostinho, da série ‘A Grande Família’, critica os serviços públicos brasileiros em entrevista

Publicado em 13/01/2017, às 18h05

Morando em Portugal, Pedro Cardoso visitou outras emissoras após sua saída da TV Globo. / Foto: Edu Moraes/Record TV

Morando em Portugal, Pedro Cardoso visitou outras emissoras após sua saída da TV Globo.

Foto: Edu Moraes/Record TV

JC Online

O ator carioca Pedro Cardoso passou 14 anos de sua vida representando na TV Globo o malandro Agostinho Carrara, da série A Grande Família. Com o fim do programa em 2014, Pedro se afastou das telinhas e, recentemente, deu entrevistas a outras emissoras, como o SBT (no The Noite com Danilo Gentili) e Record (no Programa do Porchat). Em uma entrevista recente concedida à Rádio Band News, Pedro revelou que estava morando em Portugal e comentou o quanto o estilo de vida é diferente do País em que nasceu.

“A razão da nossa pobreza é não ter serviços públicos. Quando a sociedade não tem serviço público de qualidade, todo mundo luta por ter muito dinheiro, porque você acha que com muito dinheiro você vai se livrar do hospital público, transporte público, da insegurança pública e tudo mais, que é tudo ruim”, disse Pedro, num vídeo que viralizou nas redes sociais.

O ator criticou a busca desenfreada do brasileiro para ter mais dinheiro: “Como Portugal tem bons serviços públicos […], ninguém tem a ambição de rico.

A pessoa tendo um bom trabalho e ganhando bem, ela se sente protegida, se sente bem. Claro, uma ou outra pessoa tem um pouco mais ambição, mas não é a norma. Não é esse desespero brasileiro.

Porque que o brasileiro quer ter tanto dinheiro? Pra escapar da falência do estado e da miséria do poder público.

Então eu, em Portugal, tenho muito menos ansiedade de ganhar dinheiro do que no Brasil. Eu mesmo, eu Pedro, não meu eu hipotético.

É uma das razões que me fazem me sentir bem lá”, justificou.

Pedro prosseguiu o seu discurso reforçando o tipo de Brasil que ele queria viver: “Gostaria muito que o Brasil um dia fosse um país que a gente tivesse bons serviços públicos. Escola pública, entendeu? Não ter que pagar escola particular. Transporte público, não ter que andar de táxi, não ter que andar de carro blindado, entende?

Saúde pública:

Um plano de saúde para a minha família no Brasil é 5 mil reais por mês, em Portugal é mil reais, para cinco pessoas, porque é um plano de empresa. Porque que lá é mais barato? Porque o hospital público é bom, então o plano não pode ser caro porque ninguém ia querer”, pontua o ator.

SERÁ O FIM DOS SINDICATOS NO PAÍS? ACABA A MAMATA QUE JORRA BILHÕES EM GRANA ?

OS SINDICATOS E CENTRAIS DE SINDICATOS NADAM EM GRANA…..DE MODO FORÇADO….Todo o trabalhador registrado em carteira, colabora NA MARRA (POR LEI), com um dia de salário do ano para o sindicato de sua categoria profissional.  Esta lei exdrúxula faz jorrar fortunas de  BILHÕES  aos sindicatos, cujas entidades NUNCA PRESTAM CONTAS A NINGUÉM, e cujos dirigentes se  eternizam no poder.  Lei recente acabou com esta obrigação,  NA MARRA, desobrigou esta contribuição.  

MICHEL TEMER ENTRA NA PARADA.  Entretanto, o fantástico MICHEL TEMER , está negociando com as bancadas de deputados federais que representam os sindicatos, para ele ter seus votos na Câmara Federal e se sustentar na presidência, em troca de um decreto que poderá fazer voltar NA MARRA, algum  tipo de nova contribuição para os sindicatos obterem novas receitas de BILHÕES e mais e mais grana nestas condições de….NA MARRA  ….(Ref. Folha de São Paulo) 

 

 

Folha de S.Paulo

Sindicatos temem perda de até R$ 3 bilhões com fim de imposto


 

O sindicalismo brasileiro se prepara para enfrentar tempos de penúria. Com a reforma trabalhista, que entra em vigor no próximo mês, o imposto sindical, que equivale a um dia de trabalho e hoje é descontado em folha, passará a ser voluntário.

O temor de sindicalistas é que parte expressiva dos trabalhadores deixe de contribuir, colocando em risco uma arrecadação que em 2016 somou cerca de R$ 2,9 bilhões.

Segundo o economista da Unicamp José Dari Krein, especialista em movimento sindical, levantamentos apontam que entre 25% e 30% da receita dos sindicatos vêm do imposto sindical.

A dependência é maior no caso das centrais, que em alguns casos praticamente sobrevivem desse repasse, uma vez que não contam com mensalidade de sócios, como acontece com os sindicatos.

 

 

 

Sindicatos e a contribuição sindical – Total arrecadado por entidades de trabalhadores, em R$ bilhões

A CUT (Central Única dos Trabalhadores), maior central do país, projeta um orçamento 30% menor em 2018. A Força Sindical diz que “vai acabar” sem o imposto, enquanto a União Geral dos Trabalhadores (UGT) vai se mudar para uma sede mais barata em São Paulo.

“O impacto negativo do fim do imposto deve ser generalizado. A queda de receita deve ser ainda mais substantiva em setores menos estruturados e com alta rotatividade, como comércio e construção civil”, diz Krein.

Um caso emblemático é o do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, que em 2016 foi a organização que mais recebeu imposto sindical no Brasil –R$ 31,5 milhões, segundo dados mais recentes do Ministério do Trabalho.

Em 2017, o orçamento total da entidade (considerando outras fontes além do imposto) foi de R$ 95 milhões. Mas para o ano que vem a previsão é que o caixa encolha para R$ 20 milhões, diz o presidente, Ricardo Patah.

 

 

 

 

Sindicatos e a contribuição sindical – Total arrecadado por central em 2016, em R$ milhões

Algumas medidas para se adaptar à nova realidade já estão sendo implementadas. O sindicato abriu um Plano de Demissão Voluntária (PDV) para cortar 200 dos 600 funcionários e vai reduzir em mais de 50% os serviços oferecidos, como atendimento médico. As oito subsedes da entidade serão fechadas.

O orçamento da UGT, também presidida por Patah, deve despencar de R$ 50 milhões em 2017 para R$ 1 milhão no ano que vem.

Uma saída defendida pela UGT e pela Força Sindical, entre outras centrais, é a cobrança da contribuição assistencial (também conhecida como taxa assistencial) de todos os trabalhadores da categoria, e não só dos filiados.

 

 

 

Sindicatos e a contribuição sindical – Números dos 5 maiores sindicatos

As entidades pressionam o governo Michel Temer para editar uma medida provisória (MP) que regulamente a questão, uma vez que no início do ano o Supremo Tribunal Federal decidiu que ela só poderia ser descontada de quem fosse filiado.

A taxa de sindicalização no Brasil gira em torno de 20%, de acordo com o IBGE. Por isso, os sindicatos querem ampliar a cobrança.

Sem a MP, a Força Sindical “vai acabar”, diz João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da central. “Nosso orçamento vai cair de R$ 48 milhões para zero.”

Contando com a MP, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo –que está negociando nova convenção coletiva– quer uma taxa assistencial de até 1% do salário da categoria. Do contrário, Miguel Torres,

presidente da entidade, espera uma queda no próximo ano de 40% do orçamento de R$ 50 milhões.

Nesse caso, Torres também defende que as convenções valham apenas para quem contribuir. “Como o sindicato vai trabalhar de graça para quem não paga?”

 

 

 

Sindicatos e a contribuição sindical – Entenda as diferenças

“Eu tenho participado em muitos debates com sindicatos para a gente formular uma estratégia que não seja de desespero”, diz Quintino Severo, secretário de administração e finanças da CUT, central que historicamente sempre foi contra o imposto.

Uma das medidas que devem ser adotadas diante do orçamento apertado é a racionalização de custos e estrutura, como o compartilhamento de sedes por sindicatos diferentes, afirma Severo.

Isso já está sendo estudado pelo Sintetel-SP, entidade que representa os trabalhadores em telecomunicações, e que pretende compartilhar suas colônias de férias no litoral com outros sindicatos.

A entidade demitiu dez funcionários e deve fazer mais cortes, diz o vice-presidente, Mauro Cava de Britto.

Para contornar a queda, o Sintetel quer ampliar a oferta de cursos à distância em parceria com escolas privadas. Nesse esquema, os filiados pagam metade do valor do curso, e o restante é subsidiado pela empresa. A entidade ganha a mensalidade.

Outra alternativa é restringir a oferta de serviços. O Sindicato dos Químicos do Paraná, por exemplo, está limitando consultas odontológicas e médicas. Segundo o presidente da entidade, Francisco Rodrigues Sobrinho, o sindicato tem 1.900 filiados, que pagam R$ 27 por mês.

Já entidades com alta taxa de sindicalização, como os bancários de São Paulo e os metalúrgicos do ABC, dizem que o fim do imposto terá pouco impacto, uma vez que contam com a contribuição assistencial e a mensalidade paga pelos sócios. Por isso, esses sindicatos devolvem o imposto aos trabalhadores.

O aperto no bolso dos sindicatos com o fim da obrigatoriedade do imposto sindical também preocupa o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

A principal fonte de financiamento da organização é a contribuição dos cerca de 800 sindicatos associados. Eles pagam uma mensalidade que varia de R$ 300 a R$ 15 mil –dependendo do tamanho e do salário médio da categoria– para ter acesso aos serviços prestados pelo Dieese.

Sem recursos para pagar essa mensalidade, alguns sindicatos já estão pedindo suspensão da filiação, diz o diretor técnico da entidade, Clemente Ganz Lúcio.

Antevendo dificuldades maiores, a entidade começou uma campanha pedindo o aporte de uma 13ª mensalidade dos filiados.

O Dieese também busca filiar mais sindicatos e passou a aceitar doações de pessoas físicas, afirma o diretor.

Desde 2015, com a redução nos convênios com o setor público em razão da crise econômica e do ajuste fiscal, o Dieese já reduziu em R$ 10 milhões seu orçamento.

Para o próximo ano, a estimativa é de R$ 35 milhões –o que pode ser revisto em dezembro, caso o cenário se deteriore, diz o diretor.

“Ainda não deixamos de fazer atividades para o movimento sindical, mas, se houver redução do financiamento, teremos que fazer. Podemos não ter condição de acompanhar todas as negociações coletivas, por exemplo”, afirma Lúcio.

MAIS UM ROLO PRÁ CIMA DO LULA DO PT ? QUE CONFUSÃO ESTRANHA É ESTA?

REPORTAGEM DO JORNAL DO PAÍS,  registra morte suspeita do caseiro VALMIR  BARTOLE,  em um sítio que está em nome dos petistas de Campinas,   Jacó Bittar e  Fernando Bittar,  coincidentemente os mesmos que constam como proprietários do sítio de Atibaia que dizem ser de fato do LULA do PT.   Seria este mais um   “imbróglio maracutaísta” pros lados do LULA ?  Vejam….

 

 

O Mistério: morte em sítio de amigo de Lula intriga a polícia

0
364
Partilhar no Facebook
Tweet no Twitter

O GOE (Grupo de Operações Especiais) terá uma batalha difícil para desvendar esse crime intrigante.

 

 

Um homem, identificado como Valmir Bartole, foi morto com requintes de crueldade em um sítio, onde ele era caseiro. O sítio fez parte das investigações da Operação #Lava Jato em ação deflagrada no ano passado e a polícia tentará entender o que motivou a morte do caseiro.

 

Resultado de imagem para Valmir Bartole

 O Sítio ‘Bela Vista” fica na região de Manduri-SP e está no nome do filho do ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar, Fernando Bittar. O imóvel foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal (PF) após surgirem suspeitas do local ser usado para lavagem de dinheiro. Fernando é considerado um suposto “laranja” da família #Lula na compra de um outro sítio, em Atibaia.

Conforme informações da Polícia Militar, o homem estava caído em frente a uma das casas da fazenda, na manhã desta última quinta-feira (12).

Há um grande mistério por trás de tudo isso, pois a polícia notou que os cômodos foram revirados, mas não foi roubado nada. É um caso muito intrigante e uma investigação muito forte terá que ser feita para saber o que realmente aconteceu e quais os motivos que levaram o caseiro a ser vítima dessa crueldade.

Valmir Bartole, 56 anos, teve o corpo torturado, com vários tiros e marcas de espancamento, além de estar coberto por óleo diesel.

#crime bárbaro ainda não tem um motivo e a polícia procura pistas dos suspeitos. Bartole era um dos homens de confiança do ex-prefeito de Campinas, Jacó Bittar, que, inclusive, é amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Bittar também é dono do famoso sítio de Atibaia em que Lula responde por um processo na Lava Jato.

Lava Jato

Em agosto do ano passado, Celso Silva Vieira Prado, um dos responsáveis em cuidar das propriedades da família Bittar, revelou que o sítio de Atibaia não faz parte da lista de imóveis em que ele deveria cuidar.

Ele explicou, em depoimento, que esse sítio de Atibaia foi comprado por Fernando Bittar para que ele e Lula pudessem desfrutar do ambiente. Lula também guardaria no local os presentes recebidos na época em que era presidente.

Propina

Os investigadores da Lava Jato apuraram que o sítio foi alvo de pagamento de propina das construtoras Odebrecht e OAS pela ajuda que Lula deu a elas em fraudar contratos com a Petrobras.

A Polícia Federal ouviu Prado no dia 4 de março do ano passado. Ele estava nesse mesmo sítio (Bela Vista) onde aconteceu esse crime bárbaro. Na época, ele falou que a propriedade pertence a Fernando e sua irmã Priscila. Na propriedade há o cultivo de eucaliptos.

Fonte: http://br.blastingnews.com

ABSURDO DOS ABSURDOS…..238 DEPUTADOS E SENADORES COM PROCESSOS ENGAVETADOS NO STF (SUPREMO)….

” CASO FOSSE NA CHINA….JÁ TERIAM LEVADO UM TIRO NA NUCA….”

 

GRANDE JOGADA ACEITA TACITAMENTE PELO STF (SUPREMO)… O segredo do escape dos criminosos e ou corruptos deputados e senadores do Congresso nacional, É JOGAR COM O TEMPO APOSTANDO NA PORCARIA DA FIGURA DA “PRESCRIÇÃO”, detalhe que protege os bandidos pelo excesso de ENGAVETAMENTO DOS PROCESSOS NOS TRIBUNAIS, e no caso dos “ilustres” deputados e senadores com processo criminais, eles acabam se livrando das condenações…. 

INÉRCIA OU ENGAVETAMENTO NO STF (SUPREMO)…Assim estas “otoridades” , protegidos pela porcaria do tal de FORO PRIVILEGIADO nos leva a pensar em engavetamento proposital…….Será que tem algum “esquema” no STF ?   Registro aqui um  exemplo deste engavetamento malandro….Um ex-prefeito de Curitiba, foi condenado pelo STF (depois de anos de engavetamento), por 6 meses de prisão, UMA SEMANA DEPOIS QUE PRESCREVEU SEU CRIME, o que resultou numa condenação fajuta, já que na mesma condenação,  ficou registrado que o GAJO DO PREFEITO NÃO CUMPRIRIA A PRISÃO, DEVIDO QUE O….

CRIME  PRESCREVEU…..Entenderam ? Vejam esta que recebi via facebook?

  

 

A imagem pode conter: texto e atividades ao ar livre

 

Comentários

Ricardo Kusch
Ricardo Kusch Cambada de vagabundos issl sim

 

Remover

Genésio Pontoglio
Genésio Pontoglio Muito rato pra pouco queijo

 

Remover

Maurilio Alves
Maurilio Alves Que imoralidade sem limites

 

Remover

Sidney Martins

Sidney Martins QUE QUADRILHA, DÁ QUASE 50% DE BANDIDOS.

 

· Responder · 22 min

RICARDO KOTSCHO TEVE TEMPOS DE GLÓRIA COMO JORNALISTA DE LULA DO PT……VVEU A GLÓRIA….HOJE NA FILA DESEMPREGO DOS 14 MILHÕES DO PT….

QUEM  SE  HABILITA A DAR UM EMPREGO  PARA O JORNALISTA RICARDO  KOTSCHO? ?

RICARDO ESTÁ DESEMPREGADO. Quando temos o poder, todos nos rodeiam, nos paparicam, até fazem elogios imerecidos e orbitam como satélites em nossa volta.  Quando se perde o poder, tudo desaba….acabam-se os satélites em volta, mesmo que mereçamos elogios eles não vem, rareiam-se os pseudos amigos em volta e acaba a paparicarem…..é sempre assim….

LEMBRANÇAS DO  OSTRACISMO DO  EX-PREFEITO MAURICIO FRUET.  O Fruet era deputado federal do PMDB, e pelo esforço e pressão direta dos líderes dos Diretórios zonais de PMDB  de Curitiba e demais companheiros, forçamos o então governador JOSÉ RCIHA (PMDB) a nomear o MAURÍCIO FRUET como prefeito de Curitiba em 1983, quando ainda os prefeitos das capitais do país eram nomeados pelos governadores…

O OSTRACISMO DO MAURÍCIO FRUET.  

HISTÓRICO ……..FRUET foi prefeito de Curitiba (nomeado),  nos anos de 1983, 1984 e 1985 deixando o poder em 31/12/1985.  Quando era  prefeito o FRUET desfrutou de toda a paparicação de poder, conforme descrevi acima, a ponto de um ex-secretário dele andar sempre ao seu lado com uma máquina fotográfica “polaroid”  que revelava a foto na hora na própria máquina,  e era novidade “tcham”na época, quando então o tal secretário tirava fotos do FRUET nos encontros com o povo de Curitiba e distribuia as  fotos  na hora ao povão, tudo funcionando como uma atração de  marketing e de mídia da época.

 

 

O OSTRACISMO…..Em janeiro de 1985, lá pelo dia 10 ou 15, fiz uma visita ao ex-prefeito FRUET em seu escritório da rua Westphalen (prédio antigo), e quando o vi,  lembrei-me do séquito de “puxas” que seguiam  o FRUET por toda a Curitiba, e comparando-o, com o   PODER  e sem PODER, o vi, sozinho,  sentado em sua mesa, sem o séquito de  amigos do poder e nunca amigos de FRUET….Desta visita tirei uma lição de vida que bate com o sábio ditado popular….”O poder é efêmero”, ou até pode-se dizer, que o poder é um “enfermo”,  pois ele é um doente e tem pouca duração….Vejam esta de PODER vivido pelo ex-poderoso jornalista RICARDO   KOTSCHO, com mais uma lição da efemeridade e enfermidade do poder…..(Ref. Chumbo Gordo.com.br)…..

 

Vida De Desempregado. Por Ricardo Kotscho

 

Por Ricardo Kotscho

 

Então, não tem outro jeito: depois de uma breve folga na Semana da Criança para curtir os netos na praia, comunico à praça que estou de volta ao mercado, como se diz. Qualquer trabalho honesto na minha área me interessa.

De uma hora para outra, os telefones param de tocar.

Ligam apenas alguns velhos amigos para perguntar o que aconteceu e dar um abraço.

Também rareiam as mensagens no correio eletrônico.

É como se você tivesse sido desligado do mundo: te tiraram da tomada, sem aviso prévio.

Estou desempregado pela primeira vez na vida, desde que comecei a trabalhar em jornalismo, com 16 anos.

Hoje faz uma semana que acordo de manhã sem ter o que fazer.

Não há mais anotações na agenda, nenhum compromisso.

É uma sensação muito estranha, de vazio absoluto.

Você descobre que o trabalho não é só teu ganha-pão para pagar as contas no final do mês.

No meu caso, sempre foi a própria razão de viver, minha ligação com o mundo.

Escrever para contar e comentar o que está acontecendo é a única coisa que aprendi a fazer.

Desde o meu primeiro emprego, nunca tinha sido demitido.

Foi uma paulada que não esperava, agora que estou próximo de completar 70 anos, com mais de 50 de carreira.

Nem sei por onde começar a procurar um trabalho novo.

Ao contrário da maioria dos outros 13 milhões de brasileiros sem trabalho, nem adianta distribuir meu currículo porque sou tão antigo que os possíveis empregadores já me conhecem.

O mar mercado, como sabemos, não está para peixe.

O fato de ser um profissional reconhecido e respeitado, que já trabalhou nas maiores empresas de comunicação do país, de repórter a diretor de redação, não é garantia de nada.

Enquanto a maioria das empresas do ramo reduz salários ou passa o facão sem olhar em quem, o mercado em geral busca mão de obra barata para substituir os que ganhavam salários melhores.

Esta é a realidade, e é com ela que precisamos lidar.

Para não me ver parado, minha filha Mariana Kotscho, também jornalista já veterana, abriu espaço em seu Facebook para publicar o que eu tiver vontade de escrever, enquanto monta uma plataforma independente para o meu blog, o Balaio do Kotscho, que está no ar desde 2008. Ela também criou aqui no Facebook uma página para o Balaio do Kotscho, assim já tenho onde publicar o que escrevo enquanto o site está “em construção”.

Já temos até endereço novo em casa própria: www.balaiodokotscho.com.br

Minha filha caçula, a roteirista Carolina Kotscho, que está estreando o Musical “2 Filhos de Francisco”, já falou com a mãe para nos ajudar no que for preciso.

Por enquanto, é o que temos.

Sempre fui empregado, nunca tive negócios ou outras rendas fora do salário.

O que ganho de aposentadoria do INSS mal dá para pagar o plano de saúde.

Então, não tem outro jeito: depois de uma breve folga na Semana da Criança para curtir os netos na praia, comunico à praça que estou de volta ao mercado, como se diz.

Qualquer trabalho honesto na minha área me interessa.

Se alguém estiver interessado em patrocinar meu novo site, é só entrar em contato com minha empresária Mariana Kotscho.

Bom feriadão pra todos.

Vida que segue.

Abraços,

Ricardo Kotscho

________________________

**Ricardo Kotscho é jornalista. Trabalhou nos principais veículos da imprensa brasileira como repórter, editor, chefe de reportagem e diretor de redação. Foi correspondente na Europa nos anos 70 e Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República no governo Luiz Inácio Lula da Silva. Ganhou os prêmios Esso, Herzog, Carlito Maia e Cláudio Abramo, entre outros.

DIIEGO SALDANHA CIDADÃO DE COLOMBO É UM HERÓI DO MEIO AMBIENTE…….

ALÔ…ALÔ…PREFEITOS DO PARANÁ……

O EXEMPLO DO DIEEGO  DEVE SER SEGUIDO PRINCIPALMENTE PELAS AUTORIDADES DO PAÍS….Os prefeitos e Ongs e autoridades, deveriam criar meios de incentivo a população ribeirinha dos rios do país, para assim diminuirmos as morte dos rios no Brasil, decretada hoje de forma acelerada, inclusive pela população deseducada ambientalmente e sanitariamente..  O Rio Atuba é um rio histórico, pois faz parte de início da colonização da capital Curitiba,  e  está localizado exatamente na fronteira entre Curitiba e Colombo…..A reportagem excelente é do jornal A Tribuna do Paraná……Multipliquem por mil esta informação….salvemos nossos rios…..

 

 

 

Colombo

Rio limpo

Desde pequeno, o vendedor Diego Saldanha, 31 anos, mora em Colombo, bem pertinho do Rio Atuba, rio bastante conhecido em Curitiba. Quando criança, conta que a diversão era garantida por ali, já que podia pescar, nadar e brincar bastante com a família. O cenário mudou há alguns anos, quando o rio passou a ser poluído, tornando-se inapropriado para banho ou pesca.

 

 

 

Diego recolheu mais de uma tonelada de lixo. Já encontrou garrafa pet, garrafa de bebida, fogão, capacete, entre outros objetos. Foto: Átila Alberti

Pensando em despoluir o rio, Diego criou uma ecobarreira. Ela é feita com galões de 20 litros amarrados, que são ligados de um lado ao outro do rio, e quando a sujeira flutuante passa por ali ela é retida.

“O projeto nasceu da necessidade de dar mais vida ao rio. Eu nasci aqui, pescada e nadava nesse rio. Eu estava vendo o Rio Atuba morrer e resolvi dar minha parcela de contribuição montando a ecobarreira. O pessoal reclama das enchentes, mas não faz sua parte. Eu já encontrei garrafa pet, garrafa de bebida, fogão, capacete. Tem de tudo!”, contou o idealizador do projeto.

 

 

 

Foto: Átila Alberti

Foto: Átila Alberti

O trabalho começou em janeiro deste ano e já resultou na retirada de uma tonelada de lixo do Rio Atuba. A barreira foi instalada nos fundos da casa do Diego e todo o lixo recolhido é entregue para uma escola do bairro. A instituição já fazia um projeto de reciclagem e, depois de separados de maneira correta, os materiais são revendidos.

A ideia do vendedor já conquistou muitas pessoas nas redes sociais. Nas publicações que ele faz é possível ler muitos comentários positivos e milhões de visualizações em alguns vídeos. A maioria das pessoas elogia a criatividade do projeto e, por conta disso, o Diego faz palestras em muitas escolas e até mesmo ensina para as crianças como fazer uma ecobarreira.

“Eu faço varias palestras em escolas e pra mim é muito gratificante ter esse reconhecimento. Podemos mudar a cabeça dessas crianças, assim como os meus filhos, que me ajudam bastante por aqui. Eu acho que a gente não pode só esperar do poder público, se cada um de nós fizer a nossa parte. Desde a reciclagem em casa, a gente já faz uma grande diferença”, enfatizou.

 

 

Foto: Átila Alberti

Na luta

Apesar do esforço para ajudar o meio ambiente, o ganha-pão de Diego é outro. Todos os dias ele acorda bem cedo e segue rumo à Ceasa para comprar frutas. Depois de escolhidas, ele monta as caixas com os produtos que são revendidos na região central da capital. O lucro do negócio sustenta sua família.