Archive for Dezembro, 2014

LEO ROSA DOUTOR EM DIREITO PELA UFSC …DEFINE BEM NOSSA FALIDA ESTRUTURA POLITICA CORRUPTA…….

LEIA É IMPORTANTE…… ESTE ARTIGO DO DOUTOR  LEO ROSA….É BRILHANTE……. E EXPLICA AS ORIGENS  DA  CORRUPÇÃO QUE NORTEIA O  NOSSO BRASIL PORCARIA …..DO ATRASO……COM CACETADA NA ESQUERDA PETISTA (ESQUERDA ?)……..Vejam……(Jus Brasil – fotos google)….

A corrupção como recurso para o sistema

Publicado por Léo Rosa1 dia atrás

Advogado Léo Rosa

Léo Rosa  –  Doutor e Mestre em Direito pela UFSC. Especialista em Administração de Empresas e em Economia. Professor da Unisul. Advogado, Psicólogo e Jornalista.  –

” A história do Brasil é uma narrativa de mandonismo e de obediência. Desde a Colônia, nós somos o desdobramento da vontade dos donos do poder territorial, econômico e jurídico. Os senhores de terra, e posteriormente os detentores de outros recursos (industriais, financeiros, midiáticos etc), estabeleceram uma hierarquia e do topo dela têm escrito e controlado a nossa história política.

Os mandões criaram uma estrutura de dominação clientelista que chegou ao auge nos tempos do coronelismo. Essa prática de relação política consolidou-se durante a Primeira República (1889-1930), medrando do meio rural e pequenas cidades até a capital do País. O termo “coronelismo” tem origem nos coronéis da Guarda Nacional (criada em 1831), mas coronel foi generalizado pelo povo como título de chefe político.

Essa corporação foi implantada em todos os municípios brasileiros; não obstante ter sido militar, era uma expressão do poder civil. A autoridade sobre o regimento local, exercida sob a patente de coronel, era entregue a um chefe político. Esses chefes, que já eram donos de fato do lugar, ao receberem um poder militar legalmente reconhecido, mais legitimavam o poder de mando, consolidando prestígio pessoal.

A Guarda Nacional foi extinta já em 1889, antes, pois, da República Velha, mas o poder angariado pelos coronéis não morreu. Era dessa gente o poder político, econômico e jurídico. Esse sistema ficou arraigado nos nossos costumes. A hierarquia de cabo eleitoral, de chefe de distrito, de coronel, se não sobrevive com a mesma pujança, perdura como um fundo que infesta o sistema eleitoral até nossos dias.

Batalhão de Fuzileiros da Guarda Nacional (1840–1845).

Ainda hoje, a substituição de partido político no comando do governo em qualquer nível não leva à troca de método governativo. Antigamente, é verdade, havia mais coerência no sistema: os que perdiam as eleições compreendiam perfeitamente que “agora é a vez deles”. Então, resignadamente, os derrotados se punham a militar pelo retorno ao poder e ao cofre público.

Nos tempos dos coronéis, os mandões, se vencedores, sustentavam os seus com os meios do erário; fora do poder, mantinham a “sua gente” com os próprios bolsos. A questão de honra pública nacional nunca foi o pertencimento cívico a uma ideologia partidária, mas o alinhamento a um potentado local. Ser marcado e reconhecido como alinhado a um coronel nos bons e maus tempos era um sinal de dignidade.

Atualmente, alguns dos que estão fora do poder protestam, mas não no relevante. Note-se, por exemplo, que na CPMI que investigou a roubalheira na Petrobrás alcançou-se o acordo de não quebrar o sigilo das empresas envolvidas. Suponho que se o fizesse seria encontrado nos dutos de propina o nome de parlamentares das mais variadas greis partidárias, de situação e de oposição.

É isso que somos: um país movido a interesses intermediados por políticos. Já não temos os coronéis, mas preservamos uma mentalidade clientelista. Nossas eleições não são episódios que atraiam por embates de pensamentos, mas por interesses. Um governante não é eleito como um pensador ou um gerente do Brasil, mas como um intermediário de negócios, um despachante de interesses.

Sem ilusão, político que não gasta não se elege e, salvo exceção, político que não rouba não tem para gastar. E o povo, regra geral, não quer saber de ideia, quer a parte dele. O povo é tocado a marketing, promessas, favores e valores, sejam os valores privados, tirados do bolso do político que roubou ou vai roubar, sejam os valores públicos, levados pelas bolsas que o PSDB inventou e que o PT fatura.

E a tudo se justifica, na lógica de nossos hábitos. Não há petista que reconheça que seu partido roubou (sim, não é só o PT) da Petrobrás, apesar das evidências e mesmo das confissões; todo petista alega julgamento político do Mensalão, apesar de os ministros do STF terem sido nomeados por Lula e Dilma. Não há petista que reconheça que essas verbas bilionárias moveram a eleição e reeleição de Dilma.

Ao tempo da Ditadura, o Nordeste ganhava favores e votava na Arena; os nordestinos eram execrados como alienados pela “esquerda”. Hoje o Nordeste “retribui” em votos o “reconhecimento” pelos benefícios públicos que lhe são dirigidos. É o mesmo clientelismo, mas a esquerda, hoje, nomeia esse hábito de consciência eleitoral. Somos isso e nos justificamos. Não vai ser fácil superar a nossa própria história. ”

APÓS A CITAÇÃO DO PROCESSO JUDICIAL….NÃO ALIENE OU VENDA SEU IMÓVEL…..É FRAUDE …..

CUIDADO COM A ESPERTEZA….ELA PODE TE DAR MAIS PROBLEMAS.  Após ser citado, o devedor que alienar seus imóveis, pode ser enquadrado como “fraudador” ao processo de execução em tramitação, cuja  fraude a execução, inicia-se a partir da citação do devedor.  A decisão é do STJ – Superior Tribunal de Justiça.  Vejam os detalhes desta  jurisprudência…… 

Ocorre fraude à execução quando o executado aliena imóvel após citação em processo executivo

Publicado por Bernardo César Coura1 dia atrás

A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que constitui fraude à execução quando o executado aliena imóvel após ser citado em processo executivo. O entendimento foi proferido no julgamento de uma ação rescisória que concluiu por desconstituir a decisão monocrática do ministro Humberto Gomes de Barros. Ele havia afastado a fraude à execução de um devedor, mesmo sendo ela reconhecida pelas instâncias ordinárias.

Em 1997, o autor da ação rescisória propôs ação de execução para a cobrança de R$ 70,5 mil contra seu devedor. No curso da execução, duas fazendas do devedor foram penhoradas, cada uma avaliada em R$ 200 mil. Porém, após ser citado, e um mês antes da penhora, o devedor alienou a seus filhos uma de suas fazendas pelo preço de R$ 70,3 mil.

Os magistrados de primeira e segunda instâncias entenderam estar caracterizada a fraude à execução. Entretanto, o entendimento foi reformado pela decisão do ministro Humberto Gomes de Barros, com o fundamento de que “a venda impugnada não levava o devedor à insolvência, na medida em que existiria o outro imóvel garantindo a execução”.

Hipoteca

O autor alegou que após a decisão do STJ, verificou a situação do imóvel remanescente e soube que ele estava hipotecado ao Banco do Brasil, por créditos decorrentes de cédulas rurais. A informação obtida do banco era de que o débito do devedor em 1998 era de mais de R$ 455 mil.

A partir desse documento, que continha a informação do débito no banco, o autor propôs a ação rescisória. Sustentou que essa dívida lhe asseguraria resultado diferente do decidido pelo ministro Gomes de Barros, já que comprovava que a alienação do bem levou o devedor à insolvência.

Argumentou que o devedor agiu com dolo para enganar os magistrados e esconder a dívida que tinha com o banco, cujo montante era superior ao valor dos bens existentes em seu patrimônio. Por isso, pediu a procedência da ação rescisória, para cassar a decisão que reformou o entendimento sobre a fraude.

Ao julgar a ação rescisória, os ministros entenderam que o documento apresentado pelo autor “não constituiu documento novo a ensejar o pedido rescisório”. Porém, com relação ao dolo alegado, declararam que a conduta do devedor, de silenciar sobre o tamanho de sua dívida com o banco, não configurou mera omissão, mas sim, uma atitude que “alterou, deliberadamente, a verdade dos fatos”, conduta esta que encontra expressa proibição no inciso II, do artigo 17, do Código de Processo Civil (CPC).

Alteração da verdade

Conforme explicou o ministro João Otávio de Noronha, relator do recurso, “o dolo processual consiste em artifícios capazes de iludir o juiz, afastando-o de uma decisão de acordo com a verdade”.

O ministro considerou que o devedor alterou a verdade dos fatos ao afirmar reiteradamente nos autos que a alienação do bem não o reduziria à insolvência, pois o imóvel remanescente seria suficiente para garantir o débito que pesava sobre ele.

Segundo Noronha, a lei exige que a parte não engane o juiz. E, de acordo com o relator, “ficando comprovada a existência de vício que maculou a decisão rescindenda, merece ser acolhida a presente ação rescisória”.

Com esse entendimento, a Segunda Seção desconstituiu a decisão anterior do STJ e manteve a posição da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), que reconheceu a fraude à execução.

Fonte: http://ambito-jurídico.com.br/site/index.php?n_link=visualiza_noticia&id_caderno=20&id_notic…

JOAQUIM LEVY CRITICOU AS DESONERAÇÕES DA DILMA (PT)…..ELE É O FUTURO MINISTRO DELA….

LEVY DISSE QUE A CRISE AMERICANA SE DEU PELAS DESONERAÇÕES QUE O BUSH DEU.  O futuro ministro da Fazenda da DILMA (PT), fez uma comparação entre o erro  do BUSH (presidente do Estados unidos), quando provocou a maior crise americana  das  últimas décadas quando  sustentou   o crescimento econômico nas desonerações tributarias, com expansão do crédito,   tal qual a DILMA o fez no Brasil…..Vejam os detalhes da crítica ” lewiyana”…….(Do Jus Brasil) :

Joaquim Levy e as bilionárias desonerações da MP 656/2014

Publicado por Sales Sousa1 dia atrás

Joaquim Levy, futuro ministro da Fazenda, fez duras críticas à atual política econômica conduzida pela presidente Dilma Rousseff, em recente entrevista publicada na internet.

Joaquim Levy deu algumas sinalizações sobre a política em entrevista ao Valor Econômico (Bloomberg)

Joaquim Levy (foto site Info Money).

http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2014/12/29/levy-critica-tesouro-assumiu-responsabilidades-desproporcionais/

” Chama a atenção na entrevista de Levy o paralelo que faz entre a situação atual do Brasil e o estado da economia dos EUA em 2008, quando eclodiu uma forte crise mundial.

Segundo ele, a crise financeira-bancária que eclodiu nos EUA, em 2008, foi decorrência da decisão do “governo Bush de sustentação do crescimento baseada em desonerações tributárias e expansão do crédito garantida pelo Tesouro americano”. E também porque George W. Bush “fechou os olhos ao aumento de alavancagem geral para manter o desemprego baixo”. Conclui Levy: “O coquetel se completava com o corte de impostos para agradar parcelas chaves do eleitorado e algum protecionismo”.

Guardadas algumas proporções, os erros de George W. Bush foram em grande parte repetidos no Brasil nos últimos anos pela política econômica adotada por Dilma Rousseff. “……………………………………………….

“DELATOR PREMIADO”….TODOS QUEREM SER AGORA…..É UM BOM “NEGÓCIO”….

PAULO  LINHARES, escreveu  este  brilhante texto sobre esta nova e recente atividade, que pode ser no futuro uma bela e   rendosa  profissão…VEJAM :

Por Paulo Linhares – foto site Jornal de Hoje.

” – Papai, você me pergunta o que quero ser quando ficar adulto. Já escolhi: quero ser delator premiado!

– Que é isso, filho? Por que um delator premiado?

– Ora, pai, o delator premiado está no melhor dos mundos: depois de meter as mãos, os pés e o próprio focinho nos dinheiros públicos, esses espertalhões entram em acordo com o Ministério Público, entregam deus e todo mundo, tenha ou não “culpa no cartório”, prometem devolver um pouquinho do dinheiro surrupiado dos cofres públicos- quando algumas coisas devolvem! – e pegam uma pena pouco significativa, de três a cinco anos (o que significa apenas cerca de dez por cento das penas impostas aos delatados, inocentes ou não…), no máximo, restando-lhe um enorme tempo para desfrutar do que amealhou ilicitamente, no recebimento de propinas ou no desvio puro e simples dos dinheiros públicos. ”

DILMA (PT) ….A PRAIA …..A PETROBRAS…..O BOECHAT E O” MACACO SIMÃO”……

PIADA DO MACACO SIMÃO DA BAND NEWS.  Acabo de ouvir agora cedo uma das piadas do “Macaco Simão” da Band News no “ping – pong”  entre ele e o jornalista Boechat…..Foi assim……

Dilma descansa com familiares em praia deserta na Bahia ED FERREIRA/AE

(Foto site “ZH NOTÍCIAS –  Presidente DILMA na praia – dezembro de 2014).

O  BOECHAT:   ” E as férias da  DILMA na praia Simão, como foram ? ” 

O SIMÃO :  ” Flagraram a DILMA passando litros e litros de protetor solar”……

O BOECHAT:  ” Por que tudo isto Simão ? “

O SIMÃO :  ” Porque a DILMA NÃO QUER FICAR MAIS QUEIMADA DO A  PETROBRAS “…..

OBS:  Baixem o pano do palco do teatro do absurdo rápido….o espetáculo acabou….voltem na semana que vem….tem mais….

ARI FONTOURA …. ATOR PARANAENSE DA REDE GLOBO….PEDE A DILMA QUE “RENUNCIE”…..

PEDIDO FOI POR UMA CARTA ABERTA NA INTERNET…….O corajoso ARI FONTOURA, USANDO A LIBERDADE EXPRESSÃO QUE AINDA VIGORA NO PAÍS, ESCREVEU UMA CARTA  PARA A DILMA – PT –  pedindo a ela que RENUNCIE  SEGUIR OS CAMINHOS “DOS MAL FEITOS”  DA PETEZADA….  Nesta   carta,  ele explica e  fundamenta seu pedido na  história  do país, e na mais  recente construída pelo PT nestes 12 anos de poder………Vejam (site “SAIU AGORA”) ….

Ator Ary Fontoura escreve carta de Natal e da ‘lição de moral’ em Dilma.

“Carta à Presidente da República Federativa do Brasil – Dilma Rousseff

Meu nome é Ary Fontoura, sou brasileiro, tenho 81 anos, e exerço o ofício de ator. Acredito que, por também ser uma figura pública, Vossa Excelência tenha assistido algum dos meus trabalhos, seja no teatro, no cinema, ou na televisão. Visto que vivemos num país onde a liberdade de expressão é primazia, venho solicitar, através desta carta, me utilizando desta rede social, em nome de mais de duzentos milhões de brasileiros, a sua renúncia. Esforço-me, contudo, em explicar o meu pedido e, antes, permita-me algumas considerações.

Já vivi o bastante e ao longo de todos esses anos pude ver um grande número de presidenciáveis que, desde a Proclamação da República, seja por indicação direta das Forças Armadas, por movimentos revolucionários, por Golpe Militar, ou por voto direto, governaram este país. Assim como a Senhora, sobrevivi aos duros Anos de Chumbo e, confesso, fui um admirador dos companheiros, cujos ideais socialistas lutaram contra o Regime Militar. Mas, depois de todo esse tempo, ainda aguardo um grande Presidente para o nosso país. E acrescento que continuaremos sem tê-lo, enquanto houver um “telefone vermelho” entre Brasília e o Guarujá ou São Bernardo do Campo.

Em 24 de agosto de 1954, o Presidente Getúlio Vargas se matou em seu quarto com um tiro no peito. Na carta-testamento ele registrou: “Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada temo. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história”, preferindo o suicídio a se submeter à humilhação que os adversários queriam com a sua renúncia.

Em 1961, o então Presidente Jânio Quadros, alegando “forças ocultas”, renunciou e disse: “Desejei um Brasil para os brasileiros, afrontando, nesse sonho, a corrupção, a mentira e a covardia que subordinam os interesses gerais aos apetites e às ambições de grupos ou de indivíduos, inclusive do exterior. Sinto-me, porém, esmagado. Forças terríveis levantam-se contra mim e me intrigam ou infamam, até com a desculpa de colaboração”.

No próximo dia 1º, Vossa Excelência subirá a Rampa do Planalto em direção à governança. No entanto, a subida será solitária, ainda que partidária e com bases aliadas. Mas saiba que duzentos milhões de brasileiros, mais uma vez, subirão com a Senhora, na esperança de se desenvolverem como cidadãos, e de ascenderem coletivamente num país melhor. Por isso, reforço o meu pedido inicial de “renúncia”.

Como chefe maior dessa Nação, como Presidente ou Presidenta, renuncie à corrupção, aos corruptores, aos corrompíveis, aos corrompidos; renuncie à roubalheira política, aos escândalos na Petrobras; renuncie à falta de vergonha e aos salários elevados de muitos parlamentares; renuncie aos altos cargos tomados por ladrões; renuncie ao silêncio e ao “eu não sabia”; renuncie aos Mensaleiros; renuncie ao apadrinhamento político, aos parasitas, ao nepotismo; renuncie aos juros altos, aos impostos elevados, à volta da CPMF; renuncie à falta de planejamento, à economia estagnada; renuncie ao assistencialismo social eleitoreiro; renuncie à falta de saúde pública, de educação, de segurança (Unidade de Polícia Pacificadora não é orgulho para ninguém); renuncie ao desemprego; renuncie à miséria, à pobreza e à fome; renuncie aos companheiros políticos do passado, a velha forma de governar e, se necessário, renuncie ao PT.

Dizem que o Natal é uma época de trégua e que em Brasília a guerra só recomeça depois do Ano Novo. Para entrar na história, porém, não será necessário ser extremista como Getúlio e Jânio e renunciar a Presidência da República, mas será necessário não renunciar ao seu país, ao seu povo. Governe com os opositores, governe com autonomia. Faça o seu Natal ser particularmente inspirador e se permita que a sua história futura seja coerente com o seu passado, porque o brasileiro tem o coração cheio de sonhos e alma tomada de esperanças”. 

LULA….O “ESPERTÃO”… GEROU NEGÓCIO SUSPEITO NA BANCOOP FALIDA…..ÉTICA ? PARA QUÊ SERVE AO PT?

ESSE  LULA É UM HOMEM  GURU DAS FINANÇAS……OU DE “MUITA SORTE” (A publicação está no site BOL de hoje – 29/12/2014 ).  Para  IIRRITAÇÃO  dos fanáticos  “cibernéticos”  ( e militantes empedernidos), contratados pelo PT  para defender o  pulhas da sigla  PETISTA DIRETORES   FALIDA BANCOOP, transcrevo abaixo esta matéria que revela como esse tal de LULA (ex – herói internacional terceiro mundista), ), é um baita cara bafejado pela sorte, OU É UM HOMEM  MALANDRO QUE USA A ESTRUTURA  DO PT / CUT, E DOS CARDEAIS DO PT,  E INCLUSIVE DO GOVERNO DO PAÍS, para  carrrear a ele esta “sorte – bafeja “” nos negócios……Vejam só esta….

O GURU DOS NEGÓCIOS……..O  LULA aplicou do bolso PRÓPRIO  (pasmem !)…..R$ 47 MIL REAIS – num luxuoso apartamento no Guarujá, construído pela  BANCOOP – Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo,  arapuca criada e DIRIGIDA PELOS GURUS DO PT PAULISTA, e que depois de muita roubalheira, quebrou, deixando mais de 3 mil inocentes úteis a  “ver navio”, com prejuízos  de MILHÕES, ou seja  PERDERAM SUAS ECONOMIAS….APÓS O GOLPE DOS  PULHAS DIRIGENTES DA BANCOOP – TODOS DO PT  ……HOJE ESTES PETISTAS  RESPONDEM PROCESSO NA JUSTIÇA POR ESTE BAITA GOLPE….

GRANA DA  “BANCOOP”  IA PARA O PT.  Segundo o que li na época na mídia, os puxas “espertões” do PT desviavam a grana dos trouxas, para o Partido dos Trabalhadores……..Será ?  

LULA QUER VENDER O LUXUOSO APARTAMENTO….. HOJE ….MILIONÁRIO.  O LUCRO PODERÁ SER SÓ DE …..R$  1.453,00 (UM MIL QUATROCENTOS E CINQUENTA E TRÊS REAIS).  Na matéria, o “espertão” do LULA, declara que poderá vender o luxuoso “ap;”, na maior cara de pau….Será que este gajo do LULA, hoje cidadão comum, não possui um mínimo de ética, de honestidade?  Não tem  DESCONFIÔMETRO ?   Vejam a matéria bomba  contra  o LULA  e  seus   “puxas” ……asseclas espertos e ligeirinhos……

Lula estuda se desfazer de triplex no litoral paulista

29/12/201409h22

do BOL, em São Paulo

  • Moacyr Lopes Junior/Folhapress

    29.dez.2014 - O prédio na praia de Astúrias, na orla do Guarujá, cuja cobertura pertence ao ex-presidente Lula29.dez.2014 – O prédio na praia de Astúrias, na orla do Guarujá, cuja cobertura pertence ao ex-presidente Lula

“O ex-presidente Lula pode vender o triplex que adquiriu em 2005 num prédio construído pela Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo), no Guarujá, litoral de São Paulo. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

A possível venda do imóvel aconteceria por conta da repercussão de reportagens sobre o apartamento, que foi avaliado em R$ 1,5 milhão, mas adquirido por Lula, segundo informações repassada à Justiça Eleitoral em 2006, por cerca de R$ 47 mil.

Atualmente, o imóvel está em fase final de reforma e decoração, mesmo assim, Lula e Marisa Letícia, ex-primeira dama, estudam ou pedir o ressarcimento dos valores pagos à cooperativa, antes do imóvel passar definitivamente para seu nome, ou adquiri-lo e revendê-lo.

O triplex fica localizado no condomínio Solaris, com duas torres e quatro unidades por andar, fica na avenida da praia das Astúrias, uma das poucas que ainda conserva a atmosfera dos anos 90, quando o Guarujá atraia turistas endinheirados. O apartamento fica no 16º andar e tem área de 297 m².

Leia mais em: http://zip.net/blqwTv  “